22:43 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, com seu ministro da Economia, Paulo Guedes, no Palácio do Planalto

    Créditos extras e déficit em queda: como Brasil pretende fechar as contas de 2019?

    © REUTERS/ ADRIANO MACHADO
    #SputnikExplica
    URL curta
    11710
    Nos siga no

    A pouco mais de dois meses do fim de ano, a economia brasileira ainda ensaia uma retomada mais lenta do que muitos esperavam. A Sputnik Brasil traz uma análise de alguns dos principais esforços do governo para equilibrar as contas.

    Na última terça-feira, 15, o Senado Federal aprovou um projeto de lei sobre a distribuição da receita oriunda do megaleilão do pré-sal, marcado para o próximo dia 6. Dos R$ 106,5 bilhões que o governo espera arrecadar, R$ 10,9 bilhões irão para os estados e outros R$ 10,9 bilhões vão para os municípios, enquanto a Petrobras receberá R$ 33,6 bilhões pela revisão do contrato de cessão onerosa.

    Além de representar um certo alívio para as contas da União, a aprovação do projeto, por unanimidade, abre caminho para a votação em segundo turno, no próximo dia 22, da Reforma da Previdência, grande aposta do governo para recuperar a economia. 

    ​A expectativa em torno de um novo cenário econômico após essa aprovação já foi suficiente para animar o mercado na manhã de ontem, com o Ibovespa Futuro abrindo em leve alta apesar de incertezas políticas ligadas à crise entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e seu partido, o PSL, cuja liderança na Câmara foi reivindicada pelo deputado Eduardo Bolsonaro, seu filho, na noite passada. 

    Em meio a promessas de mais dinheiro em caixa, o governo enviou, só nesta semana, 18 pedidos de créditos para ações já previstas no Orçamento e também para novos atos, totalizando R$ 41 bilhões, incluindo o valor a ser pago à Petrobras. Os recursos em questão deverão vir justamente da arrecadação do megaleilão, responsável por uma nova onda de otimismo no Ministério da Economia. 

    Déficit de R$ 80 bilhões?

    Apesar das alarmantes taxas de desemprego, das críticas aos contingenciamentos, da previsão de crescimento do PIB em 0,9% e de outros indicadores não muito animadores, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem procurado manter um certo otimismo com a possível retomada do equilíbrio fiscal que, em tese, deixaria o país em condições de crescer de maneira significativa novamente. 

    ​Prova concreta desse otimismo foi a aposta que fez de que o governo Bolsonaro conseguiria zerar o déficit público já em 2019, após cinco anos seguidos de contas no vermelho. Isso seria possível, segundo ele, se a União ficasse com toda a receita do megaleilão do petróleo excedente da cessão onerosa. Mas, devido ao acordo costurado com o Congresso, isso não deve acontecer este ano.

    Ainda assim, hoje, Guedes acredita que será possível fechar o ano com um déficit de R$ 80 bilhões, abaixo da meta fiscal aprovada de R$ 139 bilhões. Isso porque, conforme notícia publicada no blog de Valdo Cruz, no G1, o ministro espera que pelo menos R$ 20 bilhões cheguem aos cofres do Tesouro Nacional. Sem esse valor, o rombo previsto seria de R$ 100 bilhões, também abaixo da meta fiscal.

    Governo conseguirá zerar o déficit no médio prazo?

    Maria Beatriz de Albuquerque David, professora da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e coordenadora executiva do Centro de Estudos de Estratégias de Desenvolvimento (CEDES) da mesma instituição, acredita que, assim como o governo não conseguirá zerar o déficit público neste ano, o mesmo não deve acontecer em 2020.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, a especialista explica que, dado o grande volume de despesas obrigatórias — que devem chegar a 94% dos gastos do governo federal no ano que vem —, a grande alternativa do governo seria tentar a desvinculação dos gastos, o que exigiria um apoio do Congresso maior do que o atual, "muito bem articulado", já que isso afeta diretamente interesses de "estados, municípios, das corporações e da população como um todo". 

    Segundo ela, a ideia que foi vendida é a de que a Reforma da Previdência seria capaz de "resolver tudo isso, o que também não é verdade". 

    "Ela [a reforma] vai diminuir o gasto em Previdência, mas em um período longo, de dez anos, em que também não vai zerar tudo. Porque tem muitas empresas que devem à Previdência e não pagam e tem que haver um esforço de arrecadação muito elevado também, e não tem nada sendo feito nessa área", afirma.

    Para a economista, a grande vantagem para a economia no momento, o megaleilão da cessão onerosa, nem é mérito dos esforços adotados pela atual administração, mas, sim, uma "herança do governo Lula", já que o excedente a ser vendido em novembro resulta do fato de a área do pré-sal ter um potencial maior do que os 5 bilhões de barris que a Petrobras ganhou o direito de explorar e do acordo firmado entre a empresa e o governo petista em 2010.

    "Foi uma vantagem do Lula e um erro do Lula. Que não tem nada a ver com esse governo. Mas é ele que vai ser o ganhador disso, porque o dinheiro vai entrar agora", declara a acadêmica, destacando que, caso as empresas tivessem começado a explorar esse petróleo há alguns anos, talvez, elas já tivessem pago altos valores à União em impostos, aumentando o dinheiro em caixa. 

    Albuquerque acredita que o governo Bolsonaro tem tentado liberar o máximo de recursos para poder gastar como quiser, com maior flexibilidade, usando principalmente os contingenciamentos. Na falta de uma estratégia mais clara para aumentar a arrecadação e "enquanto não mudarem as despesas obrigatórias", essa deverá seguir como a principal arma da equipe econômica. 

    ​"De fato, você [o governo] está dizendo: 'Quem faz o Orçamento sou eu, e não o Congresso'", resume a especialista. "O Teto de Gastos amarra mais ainda a situação. Mas mexer no Teto de Gastos hoje, para um governo que se diz liberal e que diz que está atendendo o mercado, cairia muito mal. Agora, o Teto, realmente, o que fez o [Michel] Temer foi amarrar completamente os próximos governos. E derrubar o Teto seria, para as forças do livre mercado, um sinalizador muito ruim. Tanto que ele tentou fazer isso e recuou."

    Créditos extras, cortes e salários sem aumento real em 2020

    Entre as previsões orçamentárias para o ano que vem, o governo acredita que precisará de R$ 367 bilhões em crédito extra para financiar despesas públicas, conforme o projeto apresentado no final de agosto. No último Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), esse crédito foi de R$ 248 bilhões. 

    Embora o Orçamento de 2020 ainda esteja em tramitação no parlamento, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), aprovada na semana passada, dá algumas indicações importantes sobre o que esperar do próximo ano em termos de investimentos e economias. Um dos pontos mais polêmicos é o relativo ao salário mínimo, que deverá deixar de ter aumento real. 

    ​Desde o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva, o mínimo vinha sendo reajustado com base na inflação calculada pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) e o Produto Interno Bruto (PIB) dos dois anos anteriores, o que permitia aumentos reais em caso de crescimento. Se confirmada a proposta atual, o reajuste terá como base apenas o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), o que, na prática, congela os salários, segundo críticos.

    Em defesa da proposta, aliados do governo afirmam que a medida é necessária para reduzir o custo do Estado e atrair investimentos do setor privado. Entretanto, opositores argumentam que isso deixará os trabalhadores mais pobres e ainda tirará bilhões de circulação no ano que vem, já que 2018 teve variação positiva do PIB. 

    Além da política salarial, também devem sofrer com cortes, de acordo com o projeto enviado pelo governo ao Congresso, Educação, Saúde, Defesa, Turismo, Infraestrutura, Direitos Humanos, Minas e Energia, Meio Ambiente, Desenvolvimento Regional, Cidadania, Agricultura, Justiça, Relações Exteriores, Controladoria-Geral da União, Economia, Presidência e Vice-Presidência.

    Levando em conta o Teto de Gastos, o Orçamento previsto para o ano que vem é de, aproximadamente, R$ 1,454 trilhão, valor 3,37% superior ao aprovado para 2019. 

    Mais:

    Colapso do agronegócio? Brasil pode evitar impacto climático na economia, diz especialista
    Ipea reduz previsão de crescimento da economia brasileira em 2020
    Indústria do Brasil perde relevância e tende a sair da 'elite' mundial, diz economista
    Economia desacelera e inadimplência mundial pode chegar a US$ 19 tri, diz diretora do FMI
    Corte no Bolsa Família pode estagnar ainda mais economia nas periferias, diz economista
    Tags:
    UERJ, administração pública, dinheiro, Reforma da Previdência, Previdência Social, reforma, orçamento, receita, gastos, economia, Paulo Guedes, Senado Federal, Câmara dos Deputados, PSL, Eduardo Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar