13:37 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    3310
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as notícias mais relevantes desta terça-feira (16), marcada pela troca do ministro da Saúde no Brasil, pelas movimentações da Turquia na Síria e ameaça da irmã de Kim Jong-un ao presidente dos EUA.

    Bolsonaro nomeia Marcelo Queiroga para o Ministério da Saúde 

    Nesta segunda-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro nomeou o cardiologista Marcelo Queiroga para chefiar o Ministério da Saúde. Favorável às vacinas e ao fortalecimento do SUS, Queiroga fez parte da equipe de transição do presidente e tem proximidade com a família Bolsonaro, principalmente com o senador Flávio Bolsonaro. Em entrevista à CNN Brasil, Queiroga afirmou, no entanto, que o lockdown não deve ser "política de governo". Queiroga será o quarto ministro da Saúde de Bolsonaro desde o início da pandemia do novo coronavírus. Antes de se retirar do cargo, o general Eduardo Pazuello anunciou contrato para compra de 100 milhões de doses de vacina contra a COVID-19 da Pfizer e 38 milhões de doses da vacina da Johnson & Johnson. O Brasil confirmou mais 1.275 mortes e 42.446 casos de COVID-19, totalizando 279.602 óbitos e 11.525.477 diagnósticos da doença, informou consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Paciente infectado com COVID-19 chega em hospital público de Brasília, 15 de março de 2021
    © AFP 2021 / Evaristo Sá
    Paciente infectado com COVID-19 chega em hospital público de Brasília, 15 de março de 2021

    Influenciador Felipe Neto é enquadrado na Lei de Segurança Nacional

    Nesta segunda-feira (15), o influenciador Felipe Neto foi enquadrado na Lei de Segurança Nacional após chamar o presidente Jair Bolsonaro de "genocida". Neto foi intimado a depor pelo delegado Paulo Sartori, a pedido do vereador e filho do presidente, Carlos Bolsonaro. "Eles querem que eu tenha medo, que eu tema o poder dos governantes. Já disse e repito: um governo deve temer seu povo, nunca o contrário. Carlos Bolsonaro, você não me assusta com seu autoritarismo", declarou Neto. O delegado Sartori, que já havia indiciado Neto por corrupção de menores, justificou a intimação: "Está lá, especificamente: ofender o presidente da República. Então, tem o enquadramento na Lei de Segurança Nacional esse crime, quando você ofende o presidente da República, que é o caso do investigado", disse. "Quem fez o pedido da investigação foi o Carlos Bolsonaro, mas a vítima é o pai dele, o presidente", concluiu Sartori.

    Influencer Felipe Neto fotografado em São Paulo (foto de arquivo)
    © Folhapress / Eduardo Knapp
    Influencer Felipe Neto fotografado em São Paulo (foto de arquivo)

    'Vacina no Braço e Dinheiro no Bolso': Biden segue em caravana para promover pacote de auxílio

    Nesta segunda-feira (15), o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou caravana pelo país para promover o pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão (cerca de R$ 10 trilhões) aprovado pelo Congresso do país. Acompanhado da primeira dama Jill Biden e da vice-presidente Kamala Harris, Biden vai promover o slogan "Vacina no Braço e Dinheiro no Bolso". "A ajuda chegou, a esperança chegou, de maneira real e tangível", disse o presidente dos EUA na Casa Branca. O Congresso dos EUA aprovou o maior pacote de estímulo da história do país, que garantirá repasses de US$ 1,4 mil (cerca de R$ 7,8 mil) para os norte-americanos, US$ 350 bilhões (cerca de R$ 1,9 trilhão) em ajuda a estados e municípios e a expansão de benefícios como isenções fiscais para famílias com crianças. De acordo com a Reuters, pesquisas de opinião apontam que a maioria dos norte-americanos aprova o pacote de estímulo.

    Vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, discursa durante visita à escola de culinária, em Las Vegas, Nevada, EUA, 15 de março de 2021
    © AFP 2021 / Mandel Ngan
    Vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, discursa durante visita à escola de culinária, em Las Vegas, Nevada, EUA, 15 de março de 2021

    Especialistas da OMS se reúnem para avaliar questão da AstraZeneca

    Nesta terça-feira (16), especialistas em segurança da Organização Mundial da Saúde (OMS) devem se reunir para debater a suspensão do uso da vacina contra a COVID-19 da AstraZeneca por diversos países. Recentemente, França, Itália e Alemanha adotaram a suspensão, em função de suspeitas de risco de coagulação sanguínea após a inoculação. "Não queremos que as pessoas entrem em pânico e nós podemos, por enquanto, recomendar aos países que continuem vacinando com a AstraZeneca", disse a cientista-chefe da organização, Soumya Swaminathan. "Por enquanto, não encontramos associação ente esses ocorridos e a vacina." Neste domingo (14), a farmacêutica apresentou estudo com mais de 17 milhões de vacinados, apontando que não há indícios de que o imunizante cause coagulação sanguínea anormal.

    Membro da organização Médicos Sem Fronteiras protesta contra as patentes de vacinas contra a COVID-19, na sede da Organização Mundial da Saúde (OMS), Genebra, Suíça, 4 de março de 2021
    © REUTERS / Denis Balibouse
    Membro da organização Médicos Sem Fronteiras protesta contra as patentes de vacinas contra a COVID-19, na sede da Organização Mundial da Saúde (OMS), Genebra, Suíça, 4 de março de 2021

    Biden não deve impor sanções contra Coreia do Norte se quiser 'dormir bem' à noite, diz irmã de líder

    Nesta terça-feira (16), a irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un, Kim Yo-jong, disse que o presidente dos EUA, Joe Biden, deve evitar a imposição de sanções contra a Coreia do Norte, caso queira "dormir bem durante os próximos quatro anos", reportou a KCNA. As declarações foram feitas conforme o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, realiza visita oficial ao Japão e à Coreia do Sul. A declaração é a da autoridade norte-coreana sobre o presidente dos EUA, Joe Biden. Anteriormente, a chancelaria dos EUA confirmou rumores de que havia tentado contato com a Coreia do Norte, sem sucesso. "Tentamos contatos com o governo da Coreia do Norte por diversos canais, desde fevereiro", disse a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Jalina Porter. "Até agora, não recebemos resposta de Pyongyang."

    Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, discursa durante visita oficial a Tóquio, Japão,16 de março de 2021
    © REUTERS / Kim Kyung-Hoon
    Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, discursa durante visita oficial a Tóquio, Japão,16 de março de 2021

    Rússia se diz 'alarmada' com movimentações da Turquia em território sírio

    A Rússia está "alarmada" pela transferência de equipamentos das Forças Armadas da Turquia em território sírio e pela construção de fortificações na cidade síria de Raqqa, disse o diretor-adjunto do Centro Russo de Reconciliação para a Síria, contra-almirante Aleksandr Karpor, nesta terça-feira (16). "Essas ações violam o status quo estabelecido pelo memorando de entendimento e prejudicam os esforços de ambas as partes para resolverem o conflito na Síria", disse Karpov. Conforme o conflito completa dez anos, o enviado especial da ONU para a Síria, Geir Pedersen, propôs o estabelecimento de diálogo que envolva os EUA, Rússia, Irã, Turquia, Liga Árabe, União Europeia e o Conselho de Segurança da ONU para colocar fim à guerra.

    Mais:

    Departamento de Saúde dos EUA confirma que pressionou Brasil contra vacina russa Sputnik V
    Brasileira com COVID-19 é retirada de avião em Lisboa pela polícia e impedida de voltar ao Brasil
    Alemanha, Itália, França e Espanha fecham acordo sobre produção conjunta da Sputnik V
    Tags:
    OMS, Joe Biden, Turquia, Síria, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Japão, pandemia, COVID-19, vacina, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar