12:33 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    41419
    Nos siga no

    Por meio de uma série de publicações nas redes sociais, o influenciador social Felipe Neto mostrou como foi intimado pela polícia com base na Lei de Segurança Nacional.

    Enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) decide o futuro da Lei de Segurança Nacional do Brasil, o influenciador Felipe Neto informou nesta segunda-feira (15) que foi intimado a prestar depoimento em um inquérito aberto contra ele por "crime contra a segurança nacional".

    Segundo a intimação, o inquérito foi feito após Felipe Neto ter chamado o presidente Jair Bolsonaro de "genocida", e o procedimento investigatório teria sido aberto a partir de denúncia do vereador Carlos Bolsonaro.

    ​"Minha atribuição do termo genocida ao presidente se dá pela sua nítida ausência de política de saúde pública no meio da pandemia, o que contribuiu diretamente para milhares de mortes de brasileiros. Uma crítica política não pode ser silenciada jamais", completou o influenciador.

    Vale lembrar que o vereador Carlos Bolsonaro havia afirmado na última quinta-feira (11) ter aberto uma queixa-crime contra a atriz Bruna Marquezine e Felipe Neto por supostos crimes de difamação contra o presidente Jair Bolsonaro.

    Em sua publicação, Carlos citou o artigo 138 do Código Penal, que versa sobre calúnia. Ainda de acordo com ele, "encaminhamos queixa-crime contra Bruna Marquezine e Felipe Neto por supostos crimes contra o presidente da República. Ódio do Bem", escreveu.

    Após a prisão do deputado Daniel Silveira, a Lei de Segurança Nacional está sendo utilizada por parlamentares de todos os espectros políticos para atingir adversários. Há uma série de ações no STF que pedem para que o texto da lei seja reescrito.

    Não obstante, no início do mês, um jovem de 24 anos foi preso em flagrante em Uberlândia (MG) por conta de uma publicação em uma rede social. Ele foi enquadrado na mesma Lei de Segurança Nacional utilizada para intimar Felipe Neto.

    Vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) durante a cerimônia de posse, na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, 1º de janeiro de 2021
    © Folhapress / Claudia Martini
    Vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) durante a cerimônia de posse, na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, 1º de janeiro de 2021

    Mais:

    STF: Nunes Marques pede vista e adia julgamento de suspeição de Moro
    Brasil: Clube Militar fala em ponto de ruptura e prega intervenção no STF
    Coletiva: Lula comenta as decisões do STF e fala sobre política nacional (VÍDEO)
    Tags:
    perseguição política, perseguição, Carlos Bolsonaro, STF, Lei de Segurança Nacional, influente, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar