14:41 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    54511
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro não gostou nada da declaração do vice-presidente Hamilton Mourão sobre a crise no Ministério da Defesa e nas Forças Armadas do Brasil.

    Após as trocas realizadas no ministério, Mourão disse nesta quarta-feira (31) que não há chance de "ruptura institucional". Segundo o vice-presidente, "as Forças Armadas vão se pautar pela legalidade, sempre", não importa quem sejam os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica.

    Segundo o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, Bolsonaro "saiu do sério" com esta declaração. Uma fonte em Brasília disse a Jardim que Bolsonaro deveria, inclusive, agradecer a Mourão.

    "O Mourão fala muito, mas é leal. Não fez um movimento desleal. Se quisesse se movimentar contra o Bolsonaro, ia ser muito ruim para o presidente", publicou o colunista nesta quinta-feira (1º), citando uma fonte em Brasília.
    Presidente Jair Bolsonaro fala com o vice-presidente Hamilton Mourão na tomada de posse de Eduardo Pazuello como novo ministro da Saúde
    © REUTERS . Adriano Machado
    Presidente Jair Bolsonaro fala com o vice-presidente Hamilton Mourão na tomada de posse de Eduardo Pazuello como novo ministro da Saúde

    Não é a primeira vez que Bolsonaro e Mourão se desentendem. Em 27 de janeiro, o vice-presidente sinalizou que alguns ministérios poderiam sofrer troca nos comandos, dando ênfase à situação do agora ex-ministro Ernesto Araújo: "Talvez alguns ministros sejam trocados, entre eles o das Relações Exteriores".

    No dia seguinte, Bolsonaro saiu em defesa de seu chanceler, dizendo que o ministro "faz as relações públicas com o mundo todo".

    A troca no comando das Relações Exteriores – e também em outras cinco pastas – acabou sendo efetivada nesta semana. O embaixador Carlos Alberto Franco França, diplomata de carreira que estava na assessoria especial da presidência, é o novo chanceler brasileiro.

    Mais:

    Só ataques a Bolsonaro? Cientista político avalia estratégia de Doria para 2022
    Enquanto ministro da Saúde defende distanciamento, Bolsonaro pede revisão de 'política de lockdown'
    Escolha de comandantes das Forças Armadas apazigua crise entre Bolsonaro e militares, diz analista
    Assessor de Bolsonaro recebe voto de censura do Senado por gesto supremacista
    Tags:
    política, Brasil, Brasília, General Mourão, Antonio Hamilton Mourão, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar