14:30 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3184
    Nos siga no

    O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, sinalizou nesta quarta-feira (27) que o governo poderá trocar "alguns ministros" depois das eleições para a presidência da Câmara e do Senado, entre eles o das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

    As afirmações foram feitas em entrevista à Rádio Bandeirantes.

    "Em um futuro próximo após essa questão das eleições dos novos presidentes das duas casas do Congresso poderá ocorrer uma reorganização do governo para que seja acomodada a nova composição política que emergir desse processo. Talvez alguns ministros sejam trocados, entre eles o das Relações Exteriores", afirmou o vice-presidente.

    As eleições na Câmara e no Senado estão marcadas para o dia 1º de fevereiro. Apesar da especulação, Mourão disse preferir aguardar porque o assunto não teria sido discutido com ele.

    Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

    Mourão também falou que sente que o presidente Jair Bolsonaro poderia acioná-lo mais.

    "Na minha visão acho que o presidente poderia me utilizar mais de modo que a gente pudesse chegar às decisões que fossem mais adequadas para as situações que têm sido vividas. Eu sempre estou pronto para auxiliar e tenho procurado fazer isso dentro dos meus limites de atuação, mas é obvio que eu queria ter uma participação maior", declarou.

    Segundo Mourão, não há condições para um impeachment de Bolsonaro, e a pressão para o processo poderá diminuir depois que avançar o processo de vacinação contra a COVID-19.

    "O mundo inteiro está com problemas para ter acesso a essas vacinas. As empresas que fabricam a vacina são poucas, os insumos vêm principalmente da China e da Índia, e nós vamos ter ao longo desse semestre dificuldade para todos, e o assunto termina por respingar aqui. A partir [do momento] que o processo de vacinação avançar, essa pressão por impeachment vai diminuir", completou.

    Mais:

    Dois anos após Brumadinho, segurança de barragens no Brasil ainda preocupa, diz engenheiro
    Receita Federal: professor aponta tendência mantida de queda e nova desaceleração no Brasil em 2021
    Vacinação em massa no Brasil: 'Nossa situação atual é de dependência', diz especialista
    Apelo para que Brasil e Índia produzam vacinas contra COVID-19 é muito interessante, afirma analista
    Governo federal admite à Sputnik Brasil não ter dados consolidados de vacinação, mas culpa RN e SP
    Tags:
    Brasil, Antonio Hamilton Mourão, Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, Ernesto Araújo, vice-presidente, governabilidade
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar