21:52 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)
    1163
    Nos siga no

    China lista uma série de ações norte-americanas que violariam os direitos humanos, evidenciando que uma delas são as sanções unilaterais por parte dos EUA diante da maior crise de saúde global já registrada.

    No documento intitulado Relatório sobre Violações de Direitos Humanos nos Estados Unidos em 2020, elaborado pelo Gabinete de Informação do Conselho de Estado da China e divulgado nessa quarta-feira (24) pelo Global Times, o governo chinês aponta que as sanções unilaterais dos EUA, impostas contra vários países, fragilizaram o combate internacional à pandemia e contribuíram para a propagação da infecção em todo o mundo.

    De acordo com o relatório, a imposição de novas restrições a países sancionados dificultou o acesso de nações ao fornecimento de equipamentos médicos necessários, justamente quando "teria chegado o momento-chave para saúde global e o bem-estar da humanidade diante da pandemia".

    "Em um momento crítico quando a COVID-19 se espalhou globalmente […] todos os países deveriam trabalhar juntos para responder à pandemia e manter a segurança da saúde pública global. No entanto, o governo dos Estados Unidos ainda impôs sanções unilaterais a países como Irã, Cuba, Venezuela e Síria, o que tornou difícil para esses países sancionados obterem os suprimentos médicos antipandêmicos necessários em tempo hábil", diz o relatório.

    Sobre pandemia, o relatório também evidenciou a falha do governo norte-americano em controlar a onda de casos dentro do seu próprio país, ainda que o mesmo alegue ser o "mais abundante em recursos médicos e capacidade de saúde". E adiciona que a resposta dos EUA diante do vírus "foi caótica, levando-os a liderar o mundo no número de casos confirmados de COVID-19 e mortes relacionadas" e que "a inação do governo conduziu à propagação descontrolada da pandemia" enquanto "os líderes nacionais se esquivaram de sua responsabilidade por arrogância"

    Além das sanções e da reação dos Estados Unidos perante à pandemia, o documento também cita uma série de outras ações norte-americanas que manchariam os direitos humanos, como a retirada do país da Organização Mundial da Saúde e dos Acordos de Paris, o assassinato do cidadão norte-americano George Floyd, as vendas de armas e tiroteios que atingiram recordes, entre outras ações e acontecimentos.

    O documento insta as autoridades norte-americanas a acabarem com a política de restrições, que prejudicam a cooperação internacional na área da saúde, dificulta o acesso de vários países ao mercado de medicamentos em meio à disseminação do coronavírus, além de agravar a situação humanitária nas nações gerando conflitos internos.

    Tema:
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)

    Mais:

    EUA e UE devem reativar esforços para enfrentar 'assertividade' da China, diz mídia
    Taiwan ajudará aliados a comprar vacinas contra COVID-19, menos da China, diz mídia
    EUA indicam aumento do poder marítimo da China com pesca ilegal e propõem coalizão sul-americana
    Tags:
    COVID-19, novo coronavírus, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar