12:44 21 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1115
    Nos siga no

    Às vésperas de deixar o cargo de presidente dos EUA, Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe transações com oito aplicativos chineses, incluindo a plataforma de pagamentos Alipay.

    O governo da China acusou Washington nesta quarta-feira (6) de usar indevidamente o mote da segurança nacional como uma desculpa para prejudicar os concorrentes comerciais depois que o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva proibindo transações com os serviços de pagamento Alipay e WeChat Pay e seis outros aplicativos.

    "Este é outro exemplo do comportamento intimidador, arbitrário e hegemônico dos EUA […]. Este é um exemplo dos EUA generalizando excessivamente o conceito de segurança nacional e abusando de seu poder nacional para suprimir injustificadamente as empresas estrangeiras", afirmou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, citada pela agência AP.

    A ordem de Trump visa impedir que a China obtenha dados sensíveis e confidenciais de usuários norte-americanos. Hua ridicularizou esse argumento, apontando para a coleta de inteligência do governo dos EUA.

    Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying
    "Isso é como um gangster que rouba desenfreadamente, mas depois clama para ser protegido contra roubo […]. Como é hipócrita e ridículo", comentou Hua. Pequim tomará "medidas necessárias" não especificadas para proteger as empresas chinesas, garantiu a porta-voz.

    Aplicativos chineses na berlinda

    Os aplicativos de smartphones chineses enfrentam oposição semelhante na Índia, que bloqueou dezenas de programas por motivos de segurança em meio a um impasse militar na fronteira entre os dois países.

    A nova ordem executiva de Trump permite que o Departamento de Comércio dos EUA tome uma ação sobre a medida em até 45 dias, mas funcionários da Casa Branca disseram que o departamento planeja agir antes de 20 de janeiro, data em que Trump deixa a presidência do país.

    Esta nova medida escala o conflito entre Washington e Pequim sobre tecnologia, segurança e acusações de espionagem que mergulharam as relações EUA-China ao nível mais baixo em décadas.

    Analistas políticos ouvidos pela agência AP esperam que Biden tente retomar a cooperação com Pequim em questões como mudança climática e o combate ao novo coronavírus. Mas poucos esperam grandes mudanças devido à frustração generalizada com temas como comércio e direitos humanos em Pequim e as acusações de espionagem e roubo de tecnologia.

    Mais:

    Pit-stops da Marinha norte-americana em Hong Kong prejudicaram acordo marítimo EUA-China, diz mídia
    China: passagem de destróieres dos EUA pelo estreito de Taiwan 'enviou o sinal errado'
    'Agentes não estatais' afegãos foram pagos pela China para atacar militares dos EUA, afirma mídia
    Em 2020, China se destaca com planejamento; EUA e Brasil ficam para trás, dizem analistas
    Tags:
    Alibaba, WeChat, aplicativos, aplicativo, Donald Trump, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar