19:26 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4425
    Nos siga no

    O presidente eleito norte-americano, Joe Biden, afirmou anteriormente que não estaria planejando pôr imediatamente um fim à guerra comercial entre EUA e China e remover as tarifas impostas por Trump.

    Durante um comunicado na segunda-feira (28), Biden discutiu as relações EUA-China, o plano de alívio da COVID-19, e os problemas de transição apresentados pela administração Trump.

    Seguindo os conselhos dos membros de suas equipes de Segurança Nacional e de Política Externa, em relação aos desafios que a nova administração possa ter de enfrentar, Biden sugeriu que Washington precisa formar uma coalização com nações de ideologias semelhantes para poder enfrentar Pequim.

    "À medida que competimos com a China para responsabilizar o seu governo por abusos comerciais, tecnológicos, de direitos humanos e outros, nossa posição seria muito mais forte se construirmos coalizões com parceiros e aliados de ideais semelhantes que façam causa comum conosco em defesa de nossos interesses comuns e nossos valores compartilhados", declarou.

    Biden explicou que ao fazer tal coalização com outras democracias contra a China, acabaria tendo "duplo efeito" na vantagem econômica americana sobre o gigante asiático. No final, acrescentou que nenhum problema pode ser solucionado com os EUA agindo sozinhos, incluindo as alterações climáticas e a pandemia do coronavírus.

    O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, e a sua vice-presidente, Kamala Harris, durante a Convenção Nacional Democrata
    © AFP 2021 / Olivier Douliery
    O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, e a sua vice-presidente, Kamala Harris, durante a Convenção Nacional Democrata

    Com a Casa Branca vindo a ser ocupada nos próximos quatro anos por outro poder, muitos especialistas têm especulado que a nova presidência vai cortar radicalmente a política externa de Trump, o que seria muito importante para Pequim, uma vez que suas relações com Washington apenas se deterioraram sob o governo republicano.

    Prioridades no espaço cibernético

    O presidente eleito também destacou que os EUA precisam modernizar suas prioridades de defesa para enfrentar os desafios estratégicos da China e da Rússia, inclusive em novos domínios como o espaço cibernético, em vez de continuar investindo demais em sistemas projetados para enfrentar as ameaças do passado.

    "Esta é uma área em que republicanos e democratas estão em acordo. Devemos ser capazes de trabalhar em uma base bipartidária para proteger melhor o povo americano contra agentes cibernéticos malignos", disse o democrata.

    Mais:

    Rússia e EUA realizam grande operação contra tráfico de drogas da América do Sul para Europa (VÍDEO)
    China está perto de lançar seu 3º navio de assalto anfíbio (FOTOS)
    Irã espera que os EUA deixem tensões, mas ao mesmo tempo se prepara para 'qualquer cenário'
    Tags:
    Joe Biden, Donald Trump, Estados Unidos, Casa Branca, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar