20:34 08 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    231037
    Nos siga no

    As tensões EUA-China existem há vários anos e aumentaram muito com a eclosão da pandemia, quando Donald Trump afirmou que a China foi a responsável pela disseminação de COVID-19.

    A ex-embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Nikki Haley, exortou os norte-americanos a "acordarem" para os planos da China de "dominar o mundo", já que Pequim pode usar a pandemia de COVID-19 para estender sua influência entre as nações do mundo, afirmou em entrevista à emissora Fox News na segunda-feira (21).

    "O problema é acordar, América. Isso não é nada pequeno. A China quer dominar o mundo há muito tempo. Eles querem derrubar a América e quase fizeram isso com o [novo] coronavírus", sentenciou Haley.

    A declaração da ex-embaixadora repercute um relatório que o jornal The New York Times e o portal ProPublica tiveram acesso, segundo o qual a reação inicial do governo chinês ao surgimento da COVID-19 foi conter a disseminação de informações sobre o SARS-CoV-2 e prevenir um possível pânico entre os cidadãos, o que poderia prejudicar o governo.

    Representante permanente dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, conversa com seu colega chinês, Liu Jieyi, no CS da ONU, 5 de agosto de 2017 (Arquivo)
    © AP Photo / Mary Altaffer
    Representante permanente dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, conversa com seu colega chinês, Liu Jieyi (Arquivo)

    Dois dos principais objetivos do governo chinês, segundo os documentos obtidos pelas mídias, era fazer com que o impacto do vírus parecesse menos grave e fazer com que os funcionários do governo parecessem ter um controle mais firme do surto do que realmente tinham.

    "O que temos que fazer é entender que temos que parar de falar sobre a China e temos que fazer algo sobre a China. Eles estão tentando espionar nossos satélites e tentando aumentar suas forças armadas. Eles são os maiores violadores dos direitos humanos. Eles estão tentando controlar a comunicação. Eles estão se envolvendo em eleições. Temos que parar de falar sobre a China e começar a fazer algo a respeito, mas isso não está acontecendo", acrescentou Haley.

    A ameaça da China à segurança nacional dos EUA tem sido um tema constante entre os especialistas e legisladores norte-americanos desde que o país se envolveu em uma guerra comercial com a China, repleta de escândalos de espionagem e acusações de ataques cibernéticos apoiados pela China. Alguns políticos, incluindo o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusaram a China de não conter a propagação do novo coronavírus, perturbando as rotinas normais da vida diária e prejudicando as economias do mundo.

    Pequim nega repetidamente todas as acusações.

    Mais:

    Porta-aviões chinês Shandong entra no mar do Sul da China através do estreito de Taiwan
    Taipé entra em alerta máximo após passagem de porta-aviões chinês pelo estreito de Taiwan
    Reino Unido define China como 'desafio crônico' e Rússia como 'ameaça aguda'
    Ataques cibernéticos: Trump quer 'manchar a imagem da China', afirma porta-voz chinês
    Tags:
    China, Nações Unidas, EUA, Nikki Haley
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar