21:42 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3103
    Nos siga no

    Após se reunir com sua vice, Cristina Kirchner, Fernández declara estar próximo de definir seu gabinete. Máximo Kirchner, filho da vice-presidente e membro influente da frente política que governará a Argentina a partir de janeiro, participou da reunião.

    De acordo com assessores do presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, o encontro com Cristina Kirchner tratou das declarações do Papa Francisco sobre o conceito de lawfare, da questão boliviana, além de "assuntos pessoais".

    "Cristina é muito respeitosa, não pediu nada e não objetou a nada [...] as definições [das nomeações para o Gabinete] passam pelo presidente", declarou uma fonte ligada ao presidente eleito ao jornal Clarín.

    O filho da vice-presidente, Máximo Kirchner, compareceu à reunião e está cotado para liderar a bancada da coalizão ganhadora das últimas eleições argentinas, a Frente de Todos, na Câmara dos Deputados. Quando perguntado sobre a indicação de Máximo, Alberto respondeu: "Isso se resolve no Congresso".

    O tema militar, o golpe boliviano, o papel do Chile e do Equador e o jogo político com Jair Bolsonaro ganharam centralidade no debate sobre a formação do novo governo argentino, reportou o jornal.

    Cristina Kirchner é aclamada durante comício em Buenos Aires
    © AFP 2020 / Eitan Abramovich
    Cristina Kirchner é aclamada durante comício em Buenos Aires

    Fernández convocou o deputado Agustín Rossi para o Ministério da Defesa, área que se tornou crítica para o novo governo, considerando o papel das Forças Armadas no recente golpe de Estado na Bolívia. A indicação do deputado contradiz a "regra" imposta pelo futuro presidente de não indicar ex-ministros, sobretudo da era Kirchner, ou membros do legislativo para o seu gabinete.

    O presidente eleito estuda a possibilidade de formar um superministério da Economia, que incluiria as secretarias de Produção e Agricultura, mas o remanejamento permanece indefinido, segundo o jornal.

    A coalisão Frente de Todos uniu todos os setores do peronismo e da esquerda argentina para derrotar o atual presidente Mauricio Macri nas eleições presidenciais de 2019
    © AP Photo / Gustavo Garello
    A coalisão Frente de Todos uniu todos os setores do peronismo e da esquerda argentina para derrotar o atual presidente Mauricio Macri nas eleições presidenciais de 2019

    Outros nomes cotados são o de Eduardo "Wado" de Pedro para o Ministério do Interior, Marcela Losardo para a Justiça, Diego Gorgal para a Segurança, Daniel Arroyo para o Desenvolvimento, Ginez González García para a Saúde e Nicolás Trotta para a Educação.

    O peronista Alberto Fernández foi eleito presidente da Argentina com 48% dos votos válidos, derrotando o atual presidente do país, Maurício Macri, que obteve 40,5% dos votos. O novo governo deve tomar posse no dia 10 de dezembro.

    Mais:

    Voo entre Malvinas e SP é chance para 'diplomacia de Estado', diz analista
    Bolsonaro posta tweet sobre fechamento de multinacionais na Argentina e apaga minutos depois
    Análise: recusa de Bolsonaro em ir à posse de Fernández afetará principalmente Argentina
    Tags:
    gabinete de ministros, gabinete, Alberto Fernández, Cristina Kirchner, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar