15:04 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Mauricio Macri (à esquerda) e Alberto Fernandez (à direita) durante um debate presidencial, em 20 de outubro de 2019

    Presidente eleito da Argentina diz que FMI é 'cúmplice' da crise econômica

    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Américas
    URL curta
    490
    Nos siga no

    O presidente eleito da Argentina, o peronista Alberto Fernández, envolveu o Fundo Monetário Internacional (FMI) na grave crise econômica que o país sul-americano enfrenta.

    "Todo mundo sabe que foram cúmplices, que o Fundo [Monetário Internacional] foi cúmplice do que aconteceu", disse Fernández no programa do ex-presidente equatoriano Rafael Correa no canal RT.

    Na quinta-feira, o porta-voz do FMI, Gerry Rice, disse que o credor cooperará com o governo Fernández, que assumirá como presidente em 10 de dezembro.

    O presidente eleito reconheceu que a situação econômica de seu país é bastante grave e enfrenta "problemas que nunca nos ocorreram que poderíamos ter".

    Para o ex-chefe de gabinete do governo de Néstor Kirchner (2003-2007), isso se deve às políticas do atual presidente Mauricio Macri.

    "O Fundo Monetário Internacional emprestou a Macri US$ 57 bilhões, o que representa 60% do que emprestou ao mundo", disse Fernández, acrescentando que o FMI fez isso "para que Macri pudesse se sustentar".

    O líder peronista disse que "a campanha política mais cara da história da humanidade é a de Macri, custou aos argentinos US$ 57 bilhões" e reiterou que "o estado em que estamos é culpa de Macri e do FMI".

    Mais:

    FMI garante apoio ao próximo governo argentino
    Novo presidente da Argentina revela ligação de Trump e apoio junto ao FMI
    Triunfo da esquerda latino-americana? Argentina e México discutem retomada da CELAC
    Análise: recusa de Bolsonaro em ir à posse de Fernández afetará principalmente Argentina
    Bolsonaro posta tweet sobre fechamento de multinacionais na Argentina e apaga minutos depois
    Tags:
    Mauricio Macri, RT, FMI, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar