Caros leitores, com grande alegria anunciamos que a Voz da Rússia está mudando de nome e se mudando para um novo site. Nós agora seremos conhecidos como a agência de notícias e rádio Sputnik. Vocês podem encontrar todas as últimas notícias da nossa agência em http://br.sputniknews.com. Por favor, atualizem seus favoritos e fiquem conosco!
17 Agosto 2012, 20:07

Redes sociais são um mal ou um bem?

Redes sociais são um mal ou um bem?

A dependência das redes sociais estende-se rapidamente não apenas a numerosas pessoas, mas também a organizações. Não tendo página no Facebook a pessoa pode perder o emprego e tornar-se objeto de atenção dos médicos e da polícia. Sendo, em essência, um dossier voluntário, as redes sociais hoje são um poderoso instrumento na mão dos serviços secretos.

Um fato preocupante é descrito pela edição alemã Der Tagesspiegel. Nos EUA muitas empresas, ou melhor seus departamentos de Recursos Humanos, verificam se os candidados têm página no Facebook. E se a pessoa não tem página, podem simplesmente recusar-se a admiti-la no trabalho. Aos olhos dos empregadores, ela parece ser fechada e misantropa. Nicolai Tumanov, investigador do Centro Científico Nacional de Narcologia do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social, não concorda com esta posição.

"Para algumas pessoas, isto é simplesmente desnecessário por princípio. Isto é, simplesmente não precisa disto, prefere o contato ao vivo. As redes sociais são uma forma original de comunicação e cada pessoa escolhe para si o que lhe é mais próximo, que comunicação deseja".

Uma pessoa que não tem página nas redes sociais não é normal. Esta declaração foi feita recentemente pelo psicólogo alemão Christoph Mueller. O especialista ilustra sua hipótese com o exemplo de Anders Breivik e do atirador do Colorado James Holms, que supostamente não eram cadastrados em nenhuma rede social. Na opinião de Mueller a ausência de perfil no Facebook permite pressupor o caráter antissocial da pessoa. Nicolai Tumanov é categoricamente contra tal interpretação.

"Entendam que se a pessoa não participa desta forma de comunicação isto não a torna automaticamente anormal. Se a pessoa não é capaz de comunicar-se com pessoas reais e toda a comunicação é feita por meio eletrônico, eu diria que isso é mais perigoso. Porque é muito complexo substituir a comunicação real. Ela é necessária à pessoa, a pessoa em qualquer caso é um ser social, extremamente social".

Nicolai Tumanov também salienta que as redes sociais hoje são um fenômeno espontâneo e global e só dentro de 20-30 anos se poderá julgar as consequências de participação nelas. Além disto são conhecidos casos em que as redes sociais foram ativamente usadas por serviços secretos de diferentes países para obtenção de dados sobre os cidadãos. Por isso deve-se encarar cautelosamente a participação nestas redes.

  •  
    E recomendar em