12:52 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4431
    Nos siga no

    Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, anunciou que Washington fornecerá assistência adicional à Síria no valor de US$ 436 milhões (cerca de R$ 2,2 bilhões).

    Tal declaração teve lugar nesta segunda-feira (28) no decorrer da conferência da Coalizão anti-Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) em Roma, na Itália, com o ministro das Relações Exteriores italiano, Luigi Di Maio.

    "Anuncio que hoje os EUA estão alocando o valor adicional de US$ 436 milhões em assistência humanitária aos sírios e às comunidades que os abrigam", afirmou Blinken.

    A conferência da Coalizão Global anti-Daesh, à qual estão assistindo mais da metade dos ministros dos 83 países-membros, está sendo coliderada pelos EUA.

    O ministro Di Maio disse que o Daesh foi derrotado em termos de perda de seu território, mas que não poderia ser totalmente erradicado. O mesmo acrescentou que ainda há muito trabalho a ser feito e que a Itália poderia aumentar sua participação de missões da OTAN no Iraque.

    Militantes do Daesh se preparam para lançar fogo contra forças do governo sírio em Tal Arn na província de Aleppo, Síria
    © AP Photo / Islamic State militant website via AP
    Militantes do Daesh se preparam para lançar fogo contra forças do governo sírio em Tal Arn na província de Aleppo, Síria

    Blinken, por sua vez, acredita que os últimos ataques dos EUA na fronteira entre a Síria e o Iraque, ocorridos no domingo passado (27), enviaram uma mensagem forte para as milícias supostamente suportadas pelo Irã na zona.

    O Pentágono disse que aeronaves militares dos EUA haviam atingido instalações dos grupos terroristas KH (Kata'ib Hezbollah) e KSS (Kata'ib Sayyid al-Shuhada) na região da fronteira entre os dois países em causa. Porém, de acordo com a televisão estatal síria, os ataques aéreos provavelmente deixaram uma criança morta e três pessoas feridas.

    "Vários grupos de milícia apoiados pelo Irã [...] usaram essas instalações [que foram alvo dos ataques aéreos] [...] Tomamos ações necessárias, apropriadas e deliberadas, destinadas a limitar o risco de escalada [do conflito], mas também para enviar uma mensagem dissuasora clara e ambígua. Esta ação é de legítima defesa, fazendo o que é necessário para evitar novos ataques, e acho que envia uma mensagem muito importante e forte e eu espero muito que seja recebida", declarou Antony Blinken.

    De igual modo, e a pedido da Itália, serão também discutidas as ameaças apresentadas pelas organizações terroristas com ligações ao Daesh no Sahel e em outras regiões da África.

    O conflito na Síria já dura há cerca de uma década, sendo que em 2015 o país viu parte de seu território a leste cair na mãos do Daesh. Com a intervenção de vários países, entre os quais EUA e Rússia, este grupo foi perdendo seu controle de várias zonas, tanto na Síria como no Iraque, mas também deixou atrás de si quase 160 mil civis mortos.

    Mais:

    Líder do Boko Haram teria tentado se suicidar para evitar captura pelo Daesh
    Assassino de Wurtzburgo tinha propaganda do Daesh e seria motivado pela Jihad Islâmica, diz mídia
    Orientalista: Eduardo Bolsonaro defende 'lobbies' quando apela que se declare Hezbollah terrorista
    Tags:
    Itália, EUA, terrorismo, Daesh, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar