17:20 28 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4462
    Nos siga no

    Os Estados Unidos lutam para manter aberta a passagem de fronteira entre a Turquia e Idlib na Síria porque lhes permite fornecer armas a terroristas sob pretexto de entregar ajuda, segundo afirmou o ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad.

    O chanceler sírio disse que a ajuda transfronteiriça de Washington era "hipocrisia pura". Seus esforços para manter o funcionamento da passagem são apenas "mais uma tentativa de ajudar os grupos terroristas e de fornecer-lhes todo o material necessário para prolongar a guerra terrorista contra a Síria", disse ele em uma entrevista à RT.

    Mekdad qualificou a atividade transfronteiriça dos EUA e da Turquia de "violação direta da soberania" da Síria.

    O chanceler afirmou que os Estados Unidos mandam armamento aos militantes sob pretexto de assistência humanitária, sublinhando a presença em Idlib da Frente Al-Nusra, um grupo dissidente da Al-Qaeda (organização proibida na Rússia e em vários outros países).

    "Se os países ocidentais realmente se preocupam com os cidadãos sírios, devem suspender suas sanções", disse o ministro, adicionando que "eles nem nos permitem importar instrumentos médicos, para não mencionar alimentos e outros materiais necessários".

    O ministro das Relações Exteriores repetiu a demanda de Damasco para que os 900 soldados norte-americanos saiam da Síria.

    "[Os EUA] devem parar sua violação da integridade territorial da Síria, porque eles estão entrando ilegalmente na Síria [...] eles devem parar de roubar petróleo sírio, trigo sírio e outras propriedades sírias", disse Mekdad.

    Mekdad declarou que sem a ajuda dos Estados Unidos "o Daesh [organização proibida na Rússia e em vários outros países] teria sido eliminado há muito tempo".

    Além disso, o chanceler sírio afirmou que está aguardando pelo reinício das negociações em Nursultan, no Cazaquistão, no próximo mês, que visam obter um acordo de paz na Síria. O chamado formato de Astana, mediado pela Rússia, Turquia e Irã, é "o mecanismo mais eficaz" para encontrar soluções para a crise, dado que das negociações participam o governo sírio, a oposição e os atores internacionais.

    O impasse diplomático continua, porque o mandato da Organização das Nações Unidas (ONU) de sete anos para manter o posto de controle Bab Al-Hawa, na fronteira sírio-turca, aberto expira em julho. Os EUA e seus aliados, incluindo a Turquia, querem manter o ponto operacional por pelo menos mais um ano, citando preocupações com os civis no último reduto terrorista no país. Por sua vez, a Rússia, aliada da Síria, ameaça vetar a resolução no Conselho de Segurança da ONU, insistindo que toda a assistência à população deve ser enviada através de Damasco.

    Mais:

    Erdogan acredita que reunião com Biden iniciou 'nova era' nas relações entre EUA e Turquia
    'Afeganistão não é mais uma prioridade': EUA saem do país apesar da violência, dizem especialistas
    Lavrov: Ocidente deve reconhecer sua responsabilidade na degradação da situação humanitária na Síria
    Países da região devem 'apostar' no governo do Afeganistão em meio à ofensiva talibã, diz presidente
    Tags:
    Síria, Ministério ds Relações Exteriores, EUA, Turquia, terrorismo, fronteira, Organização das Nações Unidas, armas, Daesh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar