02:41 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    136
    Nos siga no

    Reino Unido não vai seguir os EUA e continuará a vender armamento para a Arábia Saudita sob "critérios estritos de licenciamento".

    Nesta segunda-feira (8), o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, James Cleverly, disse que está ciente sobre a resolução dos EUA de suspender a venda de armas para a ofensiva liderada pelos sauditas no Iêmen, mas afirmou que o Reino Unido toma as suas próprias decisões no que diz respeito à venda de armamentos, segundo o portal The Guardian.

    "As decisões que os EUA tomam em questões de venda de armas são decisões dos EUA. O Reino Unido leva muito a sério as suas próprias responsabilidades de exportação de armas e continuamos a avaliar todas as licenças de acordo com critérios de licenciamento estritos", disse o ministro citado pela mídia.

    Cleverly também afirma que toda a negociação é feita "com grande cuidado para garantir que não aconteça qualquer violação do direito humanitário".

    No dia 4 de fevereiro, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou a suspensão de venda de armas para Arábia Saudita dando fim ao apoio norte-americano às operações na guerra do Iêmen. Segundo o presidente, "essa guerra deve acabar".

    Existe uma pressão para que Londres faça o mesmo que Washington sob pena de ficar isolado, pois representaria o primeiro rompimento com a administração Biden e apontaria uma dificuldade em abrir uma brecha com os países do Conselho de Cooperação do Golfo representados por Omã, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Qatar, Bahrein e Kuwait, segundo a mídia.

    Lisa Nandy, secretária paralela de Estado para Relações Exteriores e da Comunidade, disse que o Ministério das Relações Exteriores havia prometido que os direitos humanos eram seu objetivo principal, mas que o Ministério falhou no primeiro teste ao decidir continuar com o comércio. A secretária também comentou sobre o fato do país ficar isolado.

    "O comércio de armas e o apoio técnico do Reino Unido sustentam a guerra no Iêmen[...]. A decisão dos EUA sobre a venda de armas deixa o Reino Unido perigosamente fora de sintonia com nossos aliados e cada vez mais isolado", disse Nandy citada pela mídia.

    O Reino Unido já havia suspendido vendas de armas para Arábia Saudita em resposta a uma ordem judicial em junho de 2019, mas retomou as negociações no ano passado. Riad representou 40% do volume das exportações de armas do país entre 2010 e 2019.

    Mais:

    Ataque houthi deixa pelo menos 5 mortos e vários feridos no Iêmen
    Mais uma explosão assusta moradores de Áden, no Iêmen (FOTOS)
    ONU alerta para repercussões na ajuda ao Iêmen, depois que EUA rotularam houthis de 'terroristas'
    Tags:
    EUA, armas, Iêmen, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar