05:53 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2111
    Nos siga no

    Novo presidente dos Estados Unidos rompeu a diplomacia de Donald Trump em anúncio nesta quinta-feira (5) sobre as relações dos EUA com aliados, Oriente Médio, Rússia e China.

    Conforme indicado ainda na manhã desta quinta-feira (4), Joe Biden anunciou na tarde de hoje (4) o fim do apoio norte-americano às operações na guerra do Iêmen.

    "Estamos intensificando nossos esforços diplomáticos para acabar com a guerra no Iêmen, uma guerra que criou uma catástrofe humanitária e estratégica", disse ele em seu primeiro discurso de política externa.

    O anúncio sobre o Iêmen cumpre uma promessa de campanha. Mas também mostra Biden colocando os holofotes em uma grande crise humanitária que os Estados Unidos teriam ajudado a agravar.

    "Essa guerra deve acabar", ele insistiu. "Para sublinhar nossa determinação, estamos encerrando todo o apoio norte-americano às operações ofensivas na guerra no Iêmen, incluindo a venda de armas", concluiu, confirmando que seu governo está suspendendo alguns dos bilhões de dólares em negócios de armas com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

    Vídeo lançado em 29 de março de 2014 pela Al-Qaeda na Península Arábica (AQAP) supostamente mostra os jihadistas do grupo ouvindo seu  líder Nasser al-Wuhayshi no Iêmen.
    © AFP 2021 / AL-MALAHEM MEDIA
    Vídeo lançado em 29 de março de 2014 pela Al-Qaeda na Península Arábica (AQAP) supostamente mostra os jihadistas do grupo ouvindo seu líder Nasser al-Wuhayshi no Iêmen.

    Em contraste, Washington continuará suas operações contra a Al-Qaeda (grupo considerado terroristas e proibido na Rússia e em vários outros países) na península arábica.

    A Arábia Saudita lidera uma coalizão militar acusada de vários crimes cometidos contra civis nesta guerra que está travando ao lado do governo iemenita contra os rebeldes houthi, apoiados pelo Irã.

    Esta promessa de campanha é parte de uma revisão mais abrangente da política dos EUA no Oriente Médio. Também prevê a revisão da inclusão dos rebeldes houthis na lista negra norte-americana de "organizações terroristas".

    Mais:

    Israel e Emirados Árabes planejam construir bases de espionagem no Iêmen, diz mídia
    Explosão em aeroporto no Iêmen após chegada do novo governo mata 10 pessoas (VÍDEO)
    Tags:
    Al Qaeda na Península Arábica, coalizão saudita, Arábia Saudita, Guerra do Iêmen, Guerra do Iêmen, Iêmen, EUA, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar