22:17 29 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    143921
    Nos siga no

    Ex-comandante das Forças Terrestres da Polônia, general Waldemar Skrzypczak, sugeriu um possível cenário de combate entre forças russas e tropas da OTAN na região de Kaliningrado.

    Em comentários ao portal Defence 24, o general aponta que a região de Kaliningrado, um enclave russo localizado entre a Polônia e a Lituânia, tem uma importância fundamental na estratégia política e militar da Moscou.

    Ele denomina a região russa como um "portão que dá acesso ao mar Báltico e às planícies polonesas", através dos quais passa o caminho para a Europa Central e Ocidental.

    O militar polonês chamou a atenção para o fato de que na referida região da Rússia estão posicionadas as principais forças da Frota do Báltico e as Tropas de Defesa de Kaliningrado (KOR, na sigla em russo).

    Segundo ele, em caso de um conflito armado, estas forças terão que assegurar a superioridade na região do Báltico, tanto no ar como no mar. No entanto, devido à presença de tropas da OTAN no Báltico, as unidades de combate da KOR podem ser usadas para outro propósito.

    "Uma possibilidade é [a KOR] bloquear as unidades da OTAN e impedir que estas se desloquem por via terrestre, aérea e marítima para os Estados bálticos, bem como apoiar o 6º Exército russo que está estacionado logo atrás da fronteira oriental [destes Estados]", opina Skrzypczak.

    O ex-comandante polonês considera pouco razoável a ideia de reforçar os países bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia) em caso de guerra e implantação nesta região de forças significativas da OTAN devido à vantagem esmagadora do "inimigo" em comparação com as forças pouco significativas da Aliança Atlântica na Europa Oriental.

    "O 6º Exército da Rússia, interagindo com Frota do Báltico, necessitarão de dois a quatro dias para tomar os Estados bálticos", considera Skrzypczak.

    De acordo com ele, após a "conquista dos países bálticos" as principais operações podem se mover para a parte sul do mar Báltico, em direção à costa polonesa.

    Bombardeiros B-1B da Força Aérea dos EUA conduzem treinamento de integração combinada com forças da OTAN na Lituânia em 3 de março de 2021.

    Por fim, o militar apelou para não sobrestimar o papel do chamado "corredor de Suwalki", uma estreita zona entre Kaliningrado e a Bielorrússia que, segundo ele, tem apenas importância tática.

    Governador de Kaliningrado responde ao general polonês

    Por sua vez, o governador da região de Kaliningrado, Anton Alikhanov, respondeu ao artigo do general Waldemar Skrzypczak.

    O político russo observou, em entrevista ao jornal Komsomolskaya Pravda, que é difícil acusar a Rússia de comportamento agressivo em relação aos países bálticos.

    "Só queremos que eles vivam em paz, que se desenvolvam. Os tanques da OTAN e os soldados dos EUA que, como sabemos, não se comportam muito bem neste tipo de missões com a população local, de fato, não lhes vão trazer felicidade", disse.

    O governador aconselhou os Estados bálticos a se concentrarem no desenvolvimento econômico.

    Mais:

    Rússia está vigiando 2 navios da OTAN que entraram no mar Negro
    OTAN considera sistema russo Pantsir-S1 armamento 'perfeito' contra drones militares
    Contraposição entre Rússia e EUA no Ártico se intensifica, diz Xinhua
    Tags:
    Polônia, OTAN, Rússia, conflito armado, países bálticos, Kaliningrado, Frota do Báltico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar