04:42 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    6412
    Nos siga no

    Conforme a pandemia de COVID-19 avança, a Rússia parece não ser mais a "principal ameaça" para a OTAN e demais países ocidentais. Para especialistas, a pandemia pode abrir portas para uma melhora na relação entre OTAN, Rússia e China.

    A pandemia global de COVID-19 já causou o cancelamento de inúmeros exercícios e manobras militares ao redor do mundo e irá exigir planos de longo prazo para garantir a saúde e prontidão das tropas.

    Enquanto as forças armadas de diversos países estão sendo chamadas para ajudar os seus cidadãos em território nacional, especialistas acreditam que existe a oportunidade de melhorar a relação da Rússia e da China com a maior aliança militar da atualidade, a OTAN.

    Para o professor e vice-diretor do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Yildirim Beyazit de Ancara, Turquia, Giray Sadik, a pandemia de COVID-19 é, sem dúvida, a maior ameaça da atualidade, ultrapassando qualquer outra.

    "[A COVID-19] é como um imã na situação de segurança global para todos, não só para a OTAN, a Rússia ou a China, mas para todo o mundo", disse. "A OTAN não está em guerra com a Rússia, agora todos então em guerra contra o coronavírus", disse.

    De acordo com Sadik, além da preocupação com a pandemia, os líderes globais passam a fazer planos para o mundo pós-COVID-19. O professor acredita que, após o fim da pandemia, irão ocorrer mudanças fundamentais no mundo, incluindo a maneira como se travam guerras.

    No entanto, é provável que a OTAN "continue fazendo o que está acostumada, porque foi construída para isso", notou o especialista.

    Para Sadik, quando o assunto é combater a COVID-19, Rússia, China e OTAN estão do mesmo lado.

    "Nós vemos que alguns canais diplomáticos estão sendo retomados. A Rússia está enviando ajuda para a Itália, enquanto muitos países europeus não o fizeram, apesar de serem membros da União Europeia e da OTAN. A Rússia também está enviando ajuda aos EUA. Isso se torna mais falado, fica em evidência. Isso é parte da diplomacia pública", disse.

    No entanto, nos assuntos tradicionais da agenda de segurança internacional, como a Ucrânia, a Síria ou a Líbia, as diferenças entre as principais potências militares se mantêm.

    Especialistas militares russos com fatos de proteção bacteriológica inspecionando instalação médica em Bérgamo
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Especialistas militares russos com fatos de proteção bacteriológica inspecionando instalação médica em Bérgamo

    "Em assuntos como a Síria e a Líbia, nós vemos que existem posições divergentes mesmo entre aliados. Alguns deles têm melhores relações com a Rússia do que entre si", notou Sadik.

    Para o especialista, em meio à COVID-19, existem sinais de que há espaço para melhora nas relações entre a OTAN e a Rússia.

    "Esta é outra indicação de que há algum espaço para um degelo nas relações, mas também existem sinais de que a OTAN irá continuar fazendo aquilo para que foi criada e é provável que siga nessa linha", concluiu Sadik.

    O número de casos de COVID-19 mundialmente já ultrapassa 1 milhão e 200 mil. Mais de 64 mil pessoas faleceram em consequência do vírus. Os países com maior número de casos são os EUA, Espanha e Itália.

    Mais:

    'Nossos cidadãos estão morrendo': primeiro-ministro espanhol questiona futuro da Europa pós COVID-19
    Poder brando em 1º lugar: para que Rússia investe tanto em ajuda humanitária?
    COVID-19: China e Rússia ganham aos EUA na América Latina com poder brando, diz especialista
    Tags:
    COVID-19, China, Rússia, OTAN
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar