17:20 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Esses exoplanetas ricos em carbono provavelmente não têm as propriedades necessárias para serem geologicamente ativos, ou seja, são inabitáveis, afirmam os cientistas.

    Pesquisadores garantem que, dadas as circunstâncias corretas, é possível que exoplanetas sejam formados por diamantes e sílica. O estudo, realizado por cientistas da Universidade Estadual do Arizona e da Universidade de Chicago, ambas nos EUA, foi publicado recentemente na revista científica The Planetary Science Journal.

    "Esses exoplanetas são diferentes de tudo em nosso Sistema Solar", sublinhou em comunicado Harrison Allen-Sutter, autor principal do artigo.

    Como é possível?

    Estrelas e planetas são formados a partir da mesma nuvem de gás, de modo que suas composições em massa são semelhantes. Uma estrela com menor proporção de carbono para oxigênio, por exemplo, formará planetas como a Terra, que possui compostos de silicatos e óxidos com um teor de diamante muito pequeno: o teor de diamante da Terra é de cerca de 0,001%.

    Mas os exoplanetas em orbitam estrelas com uma proporção de carbono para oxigênio mais alta têm maior probabilidade de serem ricos em carbono. Allen-Sutter e sua equipe sugerem que, existindo água (que é abundante no Universo), esses exoplanetas ricos em carbono podem ter um grande teor em diamantes.

    Ilustração de um planeta rico em carbono com diamante e sílica como principais minerais. A água pode converter um planeta de carboneto em um planeta rico em diamantes
    © Foto / Shim / ASU / Vecteezy
    Ilustração de um planeta rico em carbono com diamante e sílica como principais minerais. A água pode converter um planeta de carboneto em um planeta rico em diamantes

    O experimento

    Para testar a hipótese, os cientistas fizeram um experimento. Eles simularam o interior de um exoplaneta utilizando células de bigorna de diamante, que geram pressões incrivelmente altíssimas, e inseriram carboneto de silício e água.

    Em seguida, realizaram medições de raios-X enquanto um laser aquecia a simulação do interior do exoplaneta. Como previram, com alta temperatura e pressão, o carboneto de silício reagiu com a água e se transformou em diamantes e sílica.

    Planeta de carbono inalterado (E) com um manto dominado por carboneto de silício se transforma em um planeta com um manto dominado por sílica e diamante (D). A reação também produz metano e hidrogênio
    © Foto / Harrison/ASU
    Planeta de carbono inalterado (E) com um manto dominado por carboneto de silício se transforma em um planeta com um manto dominado por sílica e diamante (D). A reação também produz metano e hidrogênio

    Planetas inabitáveis

    Os resultados do estudo mostram que os planetas ricos em carbono dificilmente são geologicamente ativos e esta falta de atividade geológica pode tornar a composição atmosférica inabitável.

    "Independentemente da habitabilidade, esta é uma etapa adicional para nos ajudar a compreender e caracterizar nossas observações cada vez melhores e aprimoradas de exoplanetas", explica Allen-Sutter.

    Mais:

    De olho no espaço: eventos espetaculares no Universo são flagrados por telescópios em agosto
    Hubble faz deslumbrante FOTO de milhares de estrelas em galáxia distante
    Telescópio revela campo magnético mais forte já detectado no Universo
    Hubble indica que há importante 'ingrediente' faltando na matéria escura
    Tags:
    diamante, exoplaneta, Via Láctea, Universo, carbono
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar