13:50 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Uma equipe internacional de cientistas encontrou em sedimentos no mar profundo isótopo radioativo interestelar ferro-60 com um tempo de semi-vida de 2,6 milhões de anos, que é essencialmente produzido em estrelas massivas e ejetado em explosões de supernovas.

    Elementos radioativos sintetizados em estrelas massivas são ejetados para o espaço através de ventos estelares e explosões de supernovas.

    Nosso Sistema Solar está se movendo através do meio interestelar e coleta estes elementos extrassolares. Um destes produtos é o ferro-60.

    Já que o ferro-60 não é naturalmente produzido na Terra, a presença desse isótopo radioativo é um indicador sensível de explosões de supernovas nos últimos milhões de anos, detalha Science Alert.

    ​Cientistas de física nuclear da Universidade Nacional Australiana e da ANSTO (Organização Australiana de Ciência e Tecnologia Nuclear) encontraram vestígios do isótopo radioativo ferro-60 em amostras de sedimentos no mar profundo. Poderia isso ter vindo de antigas supernovas?

    Cientista Anton Wallner, da Universidade Nacional Australiana, junto com outros pesquisadores, encontrou vestígios de ferro-60 de aproximadamente 2,6 milhões de anos e possivelmente outros ferro-60 com cerca de seis milhões de anos, sugerindo que a Terra viajou através de nuvens radioativas de supernovas próximas.

    "Nos últimos milhares de anos, o Sistema Solar tem se movido através de uma nuvem mais densa de gás e poeira, conhecida como Nuvem Interstelar Local, cujas origens não são inteiramente conhecidas", explicaram os pesquisadores.

    "Se esta nuvem tivesse se originado durante os últimos milhões de anos a partir de uma supernova, ela conteria ferro-60, e, portanto, decidimos procurar sedimentos mais recentes para descobrir isso", acrescentaram.

    Cientistas pesquisaram em vários sedimentos em águas profundas de dois locais diferentes, que datam de 33 mil anos, utilizado um espectrômetro de massas extremamente sensível.

    Mais:

    Nos primórdios, nosso Sistema Solar poderia ter tido 2 sóis, aponta estudo
    Astrônomos encontram supernova gigante mais brilhante jamais vista
    Universo vai desaparecer com a explosão da última supernova anã negra, garante estudo
    Tags:
    Via Láctea, oceanos, Espaço, isótopo, Sistema Solar, Terra, supernova
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar