19:15 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6560
    Nos siga no

    Esse é mais um capítulo na deterioração das relações político-econômicas relação entre os EUA e a China, que vem se desgastando nos últimos anos e parece ter atingido um pico em 2020.

    Pequim introduziu restrições recíprocas a diplomatas americanos e outros funcionários da embaixada e consulados dos EUA na China, incluindo Hong Kong, anunciou em nota diplomática o Ministério das Relações Exteriores da China nesta sexta-feira (11).

    "Deve-se enfatizar que essas medidas são a necessária e legítima resposta da China aos movimentos errôneos dos EUA. […] Mais uma vez, exortamos o lado norte-americano a corrigir imediatamente seus erros e a suspender as restrições irracionais impostas à embaixada e aos consulados chineses e seus funcionários", afirma o comunicado.

    Roubo de propriedade intelectual

    As restrições chinesas são uma resposta ao bloqueio por parte dos EUA a concessões de vistos para estudantes de pós-graduação e pesquisadores chineses. A administração Trump garante que essa medida é necessária para impedi-los de roubar pesquisas confidenciais.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente chinês, Xi Jinping
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente chinês, Xi Jinping

    Um dia antes, na terça-feira (8), o presidente dos EUA afirmou que pretende restringir as relações econômicas com a China e punir qualquer empresa norte-americana que crie empregos no país asiático.

    Acusações de espionagem

    Em julho, EUA exigiram o fechamento do Gabinete de Passaportes e Vistos no Consulado-Geral da China em Houston, Texas, acusando os chineses de realizarem espionagem no local. Anteriormente, os diplomatas de Pequim foram obrigados a informar as autoridades norte-americanas sobre quaisquer reuniões com políticos estaduais e locais, bem como comunicações com instituições de ensino e pesquisa.

    Semanas depois, o governo norte-americano afirmou que iria proibir o uso do popular aplicativo chinês TikTok nos EUA, uma vez que a Casa Branca alega que o popular app pode ser utilizado por Pequim para espionagem.

    China rechaça as acusações e responde acusando Washington de espionagem a nível global, se referindo ao programa de vigilância PRISM da Agência de Segurança Nacional dos EUA revelado por Edward Snowden.

    Mais:

    China poderá se livrar de títulos do Tesouro dos EUA em meio a tensões com Washington, diz jornal
    China tem maior alta de exportações em 17 meses e superávit com os EUA cresce 27%
    Avião espião dos EUA se passa por aeronave da Malásia para voar próximo da China, segundo relatos
    Navios da China e dos EUA são avistados próximo de Taiwan, diz mídia
    Tags:
    tensão diplomática, diplomacia, diplomata, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar