Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta segunda-feira, 26 de outubro

© REUTERS / Adriano MachadoPresidente do Brasil, Jair Bolsonaro durante cerimônia do Dia do Aviador, em base aérea em Brasília, 23 de outubro de 2020
Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro durante cerimônia do Dia do Aviador, em base aérea em Brasília, 23 de outubro de 2020  - Sputnik Brasil
Nos siga no
Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as notícias mais relevantes desta segunda-feira (26), na qual Trump e Biden entram na última semana de campanha, Brasil se torna o 3º maior fornecedor de petróleo à China e Japão quer se tornar "sociedade descarbonizada" até 2050.

Apesar de desaceleração no Brasil, OMS registra recorde mundial de casos de COVID-19

Neste domingo (25), o Brasil registrou mais 237 óbitos e 12.535 casos de COVID-19, de acordo com consórcio entre veículos de imprensa e secretarias estaduais de saúde. Ao todo, o país registra 157.163 mortes e 5.393.759 pacientes infectados. A Organização Mundial da Saúde (OMS), por sua vez, registrou recorde mundial de número de casos de COVID-19 pelo terceiro dia consecutivo, com 465.319 novos diagnósticos. O diretor-geral da organização, Tedros Ghebreyesus, alertou que o "nacionalismo da vacina vai prolongar a pandemia", lembrando ser melhor "vacinar algumas pessoas em todos os países do que todas as pessoas em alguns países".

© REUTERS / Adriano Machado Indígena guajajara usa máscara protetora na região de Grajaú, Maranhão, 5 de outubro de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta segunda-feira, 26 de outubro  - Sputnik Brasil
Indígena guajajara usa máscara protetora na região de Grajaú, Maranhão, 5 de outubro de 2020

Brasil ultrapassa Iraque e é o 3º maior fornecedor de petróleo para China

Nesta segunda-feira (26), dados da administração aduaneira da China apontam o Brasil como terceiro maior fornecedor de petróleo a Pequim no mês de setembro, reportou a Reuters. O Brasil ultrapassou o Iraque ao vender 4,49 milhões de toneladas, um aumento de cerca de 34% em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com a agência, refinarias chinesas buscam estocar petróleo "barato e de qualidade relativamente alta" disponível na América do Sul. Dados da Petrobras pontam que a China absorve cerca de 70% do petróleo exportado pelo Brasil. O principal fornecedor de petróleo para China em setembro foi a Arábia Saudita, seguida pela Rússia.

© AP Photo / Ng Han GuanPessoas passam diante de publicidade de compra e venda de dólares em Pequim, na China
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta segunda-feira, 26 de outubro  - Sputnik Brasil
Pessoas passam diante de publicidade de compra e venda de dólares em Pequim, na China

Semana final de campanha nos EUA tem recorde de casos de COVID-19

Nesta segunda-feira (26), os candidatos à presidência dos EUA, Donald Trump e Joe Biden, entram na última semana de campanha antes das eleições presidenciais previstas para o dia 3 de novembro. Neste fim de semana, os EUA bateram recorde em número de novos casos de COVID-19, com 84 mil casos registrados na sexta-feira (23) e 79.900 no sábado (24), mantendo a pandemia no topo da agenda dos presidenciáveis. Apesar de membros de seu gabinete testarem positivo para a doença, o vice-presidente, Mike Pence, manteve agenda de campanha pelo país, gerando críticas de seus opositores do Partido Democrata.

© REUTERS / Jonathan Drake Vice-presidente dos EUA, Mike Pence, corre para chegar a comício em Kinston, Carolina do Norte, Estados Unidos, 25 de outubro de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta segunda-feira, 26 de outubro  - Sputnik Brasil
Vice-presidente dos EUA, Mike Pence, corre para chegar a comício em Kinston, Carolina do Norte, Estados Unidos, 25 de outubro de 2020

Chilenos votam por nova Constituição em plebiscito histórico

Neste domingo (25), o presidente do Chile, Sebastián Piñera, reconheceu resultado de plebiscito em favor da aprovação de nova Constituição para o país. "Esse plebiscito não é o fim, é só o começo de um caminho que teremos que percorrer juntos para chegarmos a uma nova Constituição para o Chile." De acordo com dados preliminares, 78,28% dos chilenos votaram para substituir a atual Constituição, adotada durante o regime de Augusto Pinochet, que governou o país entre 1973 e 1990. A revogação da Carta Magna esteve entre as reivindicações de manifestantes durante protestos massivos realizados no país no ano de 2019.

© REUTERS / Rodrigo GarridoChilenos comemoram resultados de plebiscito na cidade de Valparaíso, Chile, 25 de outubro de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta segunda-feira, 26 de outubro  - Sputnik Brasil
Chilenos comemoram resultados de plebiscito na cidade de Valparaíso, Chile, 25 de outubro de 2020

Azerbaijão e Armênia trocam acusações sobre violação de cessar-fogo mediado pelos EUA

Nesta segunda-feira (26), Armênia e Azerbaijão trocaram acusações sobre violação de cessar-fogo recém-instaurado, após negociações mediadas pelos EUA. Previsto para entrar em vigor à 01h00 desta segunda-feira (26) no horário de Brasília, o cessar-fogo humanitário teria sido violado pela Armênia na região de Tartar, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Azerbaijão. A Armênia, por sua vez, acusa forças azeris de "violações grosseiras" do cessar-fogo humanitário em diversas partes do front. No entanto, o premiê armênio, Nikol Pashinyan, declarou em rede social que seu país "continua aderindo rigorosamente ao regime de cessar-fogo".

© REUTERS / Hayk BaghdasaryanReservista armênio durante treinamento militar em Erevan, Armênia, 25 de outubro de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta segunda-feira, 26 de outubro  - Sputnik Brasil
Reservista armênio durante treinamento militar em Erevan, Armênia, 25 de outubro de 2020

Japão quer atingir neutralidade de carbono em 2050, diz Suga

Nesta segunda-feira (26), o primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, declarou que seu país deve atingir neutralidade nas emissões de carbono até 2050. "Eu declaro que nosso objetivo é tornar-se uma sociedade descarbonizada", disse Suga em discurso ao Parlamento. A declaração japonesa veio após o presidente da China, Xi Jinping, comprometer-se a atingir a mesma meta em 2060. "A chave será a inovação", disse Suga. Em 2017, o Japão foi o sexto maior emissor de gases causadores do efeito estufa no mundo, de acordo com dados da Agência Internacional de Energia.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала