23:28 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    0 371
    Nos siga no

    O presidente da Bielorrússia, Aleksandr Lukashenko, declarou nesta sexta-feira (21) que a resolução da crise política do país é muito importante para Moscou.

    O líder bielorrusso destacou que tem um entendimento mútuo com o presidente russo, Vladimir Putin.

    "O problema da Bielorrússia hoje não é menos importante para a Rússia do que para a Bielorrússia. Ataca a Rússia em primeiro lugar. Mas querem nos esmagar. Não vai funcionar. Vamos lutar", disse Lukashenko.

    O líder falou sobre a existência de planos para "isolar" a região de Grodno da Bielorrússia.

    "Eles estabeleceram uma meta, em primeiro lugar, de isolar este território - Grodno. As bandeiras polonesas foram penduradas recentemente. Agora a pátria está em perigo. Não podemos brincar. Além disso, essas tropas não são fracas - a OTAN", afirmou o presidente bielorrusso. 

    "Portanto, avisei o presidente russo sobre a situação na Bielorrússia. Temos total entendimento mútuo, temos um acordo correspondente no âmbito do Organização do Tratado de Segurança Coletiva [OTSC] e do Estado da União", acrescentou.

    Anteriormente, Lukashenko disse que havia concordado com Putin sobre o fornecimento de assistência à república no primeiro pedido de segurança. A assessoria de imprensa do Kremlin informou que Putin, em conversa com Lukashenko, confirmou sua disposição em prestar a assistência necessária na solução dos problemas surgidos com base nos princípios do Estado da União, bem como, se necessário, por meio do OTSC.

    Mais:

    Bielorrússia anuncia exercícios militares na fronteira com Polônia e Lituânia
    Oposição bielorrussa pede diálogo com governo para resolver crise no país
    MP da Bielorrússia abre processo penal contra criação de conselho da oposição
    Opositor anuncia criação de fundo de 'apoio à sociedade civil' bielorrussa com EUA e Polônia
    Tags:
    Crise, Vladimir Putin, Aleksandr Lukashenko, Rússia, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar