04:52 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1112
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (19), o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, afirmou que vê proximidade entre os ataques sofridos por seu país e pela Bielorrússia.

    A afirmação de Arreaza ocorreu durante solenidade em encontro com o embaixador da Bielorrússia na Venezuela, Oleg Paferov, que recebeu homenagem da chancelaria venezuelana, a Ordem Francisco de Miranda.

    Hoje, a Bielorrússia, assim como a Venezuela, também enfrenta ataques, o roteiro se repete, poderes arrogantes da Europa declararam não reconhecer os resultados eleitorais, como se tivessem algum poder.

    O Ministério das Relações Exteriores venezuelano, por meio do chanceler Arreaza, confirmou o apoio do governo da Venezuela, incluindo do presidente Nicolás Maduro, à Bielorrússia.

    O país europeu vive atualmente uma crise política marcada por protestos de rua deflagrados após o anúncio da reeleição do presidente do país, Aleksandr Lukashenko.

    Presidente bielorrusso Aleksandr Lukashenko durante ato em Minsk
    © Sputnik / Viktor Tolochko
    Presidente bielorrusso Aleksandr Lukashenko durante ato em Minsk

    A oposição não reconheceu os resultados anunciados no dia 9 de agosto e acusou a situação de fraude eleitoral. Os protestos que ganharam as ruas nos dias seguintes foram marcados por confrontos com a polícia, que prendeu quase sete mil manifestantes.

    Diversos países europeus têm aumentado a pressão contra Lukashenko, afirmando que as eleições não foram justas e ameaçando sanções econômicas contra o país. Mais cedo, a União Europeia anunciou que não reconhece os resultados eleitorais.

    Mais:

    União Europeia não reconhece resultados das eleições presidenciais na Bielorrússia
    Bielorrússia ordena reforço de tropas em flanco ocidental
    Oposição bielorrussa pede diálogo com governo para resolver crise no país
    Tags:
    Aleksandr Lukashenko, Bielorrússia, Venezuela, Jorge Arreaza
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar