16:52 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    141638
    Nos siga no

    O serviço de inteligência do Irã teria avisado sobre possibilidade de um plano de assassinato, contudo, o cientista nuclear Mohsen Fakhrizadeh, não deu muita importância.

    Israel, por sua vez, convencido de que Fakhrizadeh estaria liderando os esforços da República Islâmica para construir uma bomba nuclear, planejou sua morte por pelo menos 14 anos, reporta The New York Times.

    Anos de estratégia e planejamento

    Em 2004, o governo israelense ordenou que o Mossad, serviço de inteligência de Israel, impedisse Teerã de obter armas nucleares, pelo que começou realizando uma campanha de sabotagem e ataques cibernéticos às instalações de enriquecimento de combustível nuclear do Irã. De igual modo, o serviço de inteligência israelense estava também, metodicamente, vigiando os especialistas que poderiam estar liderando o programa de armas nucleares iraniano.

    Desde 2007, agentes do Mossad assassinaram cinco cientistas nucleares persas e feriram outro. A maioria desses cientistas trabalhou diretamente para Fakhrizadeh em um alegado programa secreto para construir uma ogiva nuclear, de acordo com as autoridades de inteligência israelenses, aponta a mídia.

    Agentes do serviço de inteligência israelense também chegaram a assassinar um general iraniano encarregado do desenvolvimento de mísseis, bem como 16 membros de sua equipe.

    Diretor do Mossad, Yossi Cohen, assistindo à reunião semanal do gabinete em seu escritório em Jerusalém. Foto de arquivo
    © AP Photo / Gali Tibbon
    Diretor do Mossad, Yossi Cohen, assistindo à reunião semanal do gabinete em seu escritório em Jerusalém. Foto de arquivo

    Contudo, os preparativos para o assassinato do famoso cientista nuclear começaram após uma série de reuniões, no final de 2019 e no início de 2020, entre funcionários israelenses, liderados pelo diretor do Mossad, Yossi Cohen, e altos funcionários norte-americanos, incluindo o ex-presidente Donald Trump, o ex-secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo e a ex-diretora da CIA, Gina Haspel.

    As autoridades norte-americanas informaram sobre o plano de assassinato em Washington, de acordo com um funcionário que esteve presente nessa reunião.

    Ambos os países - EUA e Israel - foram encorajados pela resposta relativamente fraca do Irã ante o assassinato do major-general Qassem Soleimani, ex-chefe da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) em janeiro de 2020. Em sua lógica, se foram capazes de matar o principal líder militar iraniano e sofrer poucas retaliações, isso quereria dizer que a República Islâmica era incapaz de responder com maior agressividade.

    O derradeiro final

    Por fim, em novembro de 2020, o principal cientista nuclear iraniano, Mohsen Fakhrizadeh, foi assassinado em um golpe sofisticado liderado por uma equipe do Mossad que, supostamente, implantou uma metralhadora computadorizada, sem precisar de seus agentes no local.

    Uma equipe de assassinos havia esperado perto da estrada na qual Fakhrizadeh passaria, informou um relatório. Os residentes ouviram uma grande explosão seguida de disparos intensos de metralhadora, disse outro relatório. Um caminhão explodiu em frente ao carro de Fakhrizadeh, e depois cinco ou seis indivíduos pularam de um carro próximo e abriram fogo. 

    Um canal de mídia associado ao IRGC relatou a ocorrência de uma intensa batalha armada entre os guarda-costas do cientista nuclear contra uma dúzia de atacantes. Várias pessoas foram mortas, disseram testemunhas.

    O ministro da Defesa do Irã, Amir Hatami, fala durante cerimônia fúnebre do cientista nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, em Teerã, Irã
    © AP Photo / Ministério da Defesa do Irã
    O ministro da Defesa do Irã, Amir Hatami, fala durante cerimônia fúnebre do cientista nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, em Teerã, Irã

    Várias organizações de notícias iranianas relataram que o assassino era um robô, e que toda a operação foi conduzida por controle remoto. Porém, tais relatos contradiziam diretamente os relatos de uma suposta testemunha ocular que falava de uma batalha armada entre grupos de assassinos e guarda-costas, bem como outros relatos de que alguns dos assassinos haviam sido presos ou mortos.

    No final, o sucesso da operação foi o resultado de vários fatores, especialmente graves falhas de segurança por parte do IRGC, e o planejamento e a vigilância extensivos por parte do Mossad.

    Contudo, tamanha empreitada só foi possível também graças ao franco-atirador que tinha tecnologia de ponta, era computadorizado, equipado com inteligência artificial e lentes com várias câmeras, operado via satélite e capaz de disparar 600 tiros por minuto.

    Mais:

    Detido na Alemanha cidadão irano-alemão suspeito de enviar equipamentos para programa nuclear do Irã
    'Erro perigoso': Netanyahu critica governo de Israel por aceitar cenário de retorno dos EUA ao JCPOA
    Israel eleva presença no mar Vermelho para tentar conter Irã, diz oficial
    Tags:
    Irã, Teerã, assassinato, Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, Mossad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar