04:32 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    21115
    Nos siga no

    Danny Yatom, ex-diretor do Mossad, o serviço de inteligência de Israel, se lembra bem daquele trágico dia de 11 de setembro de 2001 quando dois aviões colidiram com o World Trade Center em Nova York.

    O terceiro avião atingiu uma parte do Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos EUA. O último, com o qual os terroristas teriam plenejado atacar a Casa Branca, caiu em um campo aberto após um confronto entre os passageiros da aeronave e os extremistas.

    Naquela época, Yatom já havia deixado o Mossad mas ainda era uma pessoa influente no organismo de segurança de Israel e tinha conexões a importante figuras políticas de Israel.

    "Me lembro de estar no escritório. Quando vi um avião colidindo com o World Trade Center, eu imediatamente disse que não era um acidente. Era um ataque terrorista. Inicialmente, algumas pessoas estavam em dúvida. Quando o segundo avião atingiu o arranha-céu, todos perceberam que eu estava certo", disse.

    O escopo do ataque e o fato de ter sido realizado em solo americano foi um choque. Era igualmente inimaginável para os EUA.

    "Em sua própria investigação, os americanos chegaram à conclusão de que havia algumas pistas que indicavam que os terroristas executariam um ataque contra alvos dos EUA. Mas ninguém imaginou que o ataque seria realizado no coração dos Estados Unidos. Os americanos pensavam que eram imunes a tais ataques e que ninguém se atreveria a fazê-lo", observou Yatom.

    Os ataques de 11 de setembro levaram a vida de quase 3.000 pessoas e cerca de 25.000 ficaram feridas. A tragédia causou ainda danos de US$ 2 trilhões (R$ 10,4 trilhões na cotação atual).

    Em busca de conselhos

    Quando a situação se acalmou, os EUA começaram a analisar o que deu errado. Com isso veio uma mudança na política.

    "A tragédia mudou as abordagens ofensivas e defensivas da América, mudou seus procedimentos de segurança. Eles se tornaram mais meticulosos na verificação de viajantes, começaram a confiar mais na tecnologia, implementando muitos regulamentos sobre o que era proibido ou permitido em voo", comentou o ex-chefe de Mossad.

    Pouco depois de deixar o Mossad, Yatom se tornou político e observou muitas delegações de todo o mundo irem a Israel em busca de conselhos.

    "Eles estavam interessados em saber como nós garantíamos a segurança de nosso aeroporto. Eles estavam curiosos em saber como tratamos aqueles que embarcam em um avião, como classificamos pessoas e como determinamos quem pode representar perigo e quem não", explicou Yatom.

    Segundo ele, agora, vinte anos após os ataques, o mundo não se tornou mais seguro, mas os políticos e o público tornaram-se mais conscientes dos perigos colocados pelos radicais. Também compreenderam que, para manter a segurança de seus países, precisavam ter a certeza de que havia estabilidade em outras partes do mundo.

    Mais:

    Sucesso de Talibã pode 'inspirar' terroristas pelo mundo afora, segundo chefe do MI5
    Passados 20 anos, legistas conseguem identificar mais 2 corpos de vítimas do 11 de setembro nos EUA
    Vinte anos após 11 de setembro, 39 suspeitos da Al-Qaeda ainda estão em Guantánamo
    Tags:
    atentado terrorista, ataque terrorista, Al-Qaeda, EUA, Afeganistão, 11 de setembro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar