07:19 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6204
    Nos siga no

    Israel é uma "guarnição terrorista" contra os muçulmanos e é "responsabilidade coletiva" e o dever de todos os muçulmanos lutar contra ele, afirmou o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei.

    Nesta sexta-feira (7) se assinala o Dia Mundial de Al-Quds (Jerusalém), que é uma campanha iraniana de manifestações e protestos em todo o mundo muçulmano que tem como objetivo demonstrar solidariedade com o povo palestino e marcar a oposição ao sionismo, ao governo israelense e à ocupação de Jerusalém por Israel.

    "Desde o primeiro dia, os sionistas transformaram a Palestina usurpada em uma base terrorista. Israel não é um país, mas sim uma guarnição terrorista contra a nação palestina e outras nações muçulmanas", disse hoje o líder supremo da República Islâmica em um discurso televisionado.

    "A luta contra este regime miserável é a luta contra a opressão e a luta contra o terrorismo. E é um dever público lutar contra esse regime", acrescentou Khamenei.

    Manifestantes queimam representações de bandeiras de Israel e dos EUA durante o evento do Dia de Al-Quds, ou de Jerusalém, 7 de maio de 2021
    © AP Photo / Vahid Salemi
    Manifestantes queimam representações de bandeiras de Israel e dos EUA durante o evento do Dia de Al-Quds, ou de Jerusalém, 7 de maio de 2021

    Designando a questão da Palestina o assunto "mais importante" e relevante para o Mundo Islâmico da atualidade, Khamenei disse que "as políticas do capitalismo opressivo e cruel expulsaram um povo de suas casas, sua pátria e suas raízes ancestrais e, em seu lugar, instalaram um regime terrorista e acomodaram aí um povo estrangeiro", acrescentou.

    Em seu discurso o líder supremo do Irã acusou as nações ocidentais de apoiarem "cegamente" o "regime sionista" e de usarem a lógica errada de que, devido aos crimes dos europeus contra os judeus durante a Segunda Guerra Mundial, "eles acreditam que a opressão contra os judeus deve ser vingada deslocando uma nação [os palestinos] na Ásia Ocidental e cometendo um terrível massacre naquele país!"

    No final de abril, Eli Cohen, ministro da Inteligência israelense, advertiu que Israel está disposto a tomar medidas militares para impedir o Irã de obter armas nucleares.

    "Israel não permitirá que o Irã obtenha arma nucleares. O Irã não tem imunidade em lugar algum. Nossos aviões podem chegar a qualquer lugar do Oriente Médio – e certamente ao Irã", afirmou o ministro israelense.

    Mais:

    EUA e Israel acordam criar frente para conter avanço militar do Irã, informa mídia
    Assassinato do general Qassem Soleimani 'foi dirigido pelos sionistas', diz presidente iraniano
    Chefe do IRGC: 'Bolha de segurança' de Israel 'arrebentou' após uma série de incidentes misteriosos
    Tags:
    aiatolá Khamenei, Oriente Médio, EUA, Israel, palestinos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar