20:20 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    681
    Nos siga no

    O general Qassem Soleimani, comandante da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) foi assassinado em um ataque de drone autorizado pelos EUA em 3 de janeiro de 2020.

    O presidente iraniano, Hassan Rouhani, alegou que Israel está por trás do assassinato de Qassem Soleimani, explicando que o ataque de drones dos EUA foi "provocado pelos sionistas".

    "O martírio do general Soleimani foi dirigido pelos sionistas, embora [o ex-presidente dos EUA Donald] Trump fosse o comandante e o assassino", afirmou Rouhani durante uma reunião de gabinete na quarta-feira (28), citado pelo jornal The Times of Israel.

    O presidente iraniano observou que o político republicano é "um mercenário do regime sionista" e acrescentou que "todas as ações [de Trump] foram provocadas pelos sionistas", reconhecendo que "é claro, os presidentes anteriores dos EUA eram amigos dos sionistas, mas não eram mercenários".

    Rouhani não forneceu nenhuma evidência para apoiar as alegações feitas durante a reunião com outros funcionários do gabinete.

    Pedestre passa por cartazes em homenagem ao general Qassem Soleimani, assassinado em operação dos EUA, em janeiro de 2020
    © AP Photo / Vahid Salemi
    Pedestre passa por cartazes em homenagem ao general Qassem Soleimani, assassinado em operação dos EUA, em janeiro de 2020

    Declarações de Zarif

    O presidente iraniano também fez comentários sobre as declarações bombásticas feitas pelo ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, vazadas recentemente em áudio, onde o ministro afirma que seus esforços diplomáticos dentro do governo foram ofuscados pelas demandas do IRGC.

    Nas gravações, Zarif diz que Soleimani muitas vezes causou mais danos do que benefícios em termos de manter a diplomacia com líderes globais, acrescentando especificamente que o oficial falecido havia supostamente tentado frustrar a assinatura do pacto nuclear de 2015, o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês).

    Na época, Zarif desempenhou um papel fundamental na assinatura do acordo nuclear, que viu os EUA suspenderem as sanções contra o Irã em troca de restrições nas capacidades nucleares da República Islâmica.

    Ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohamad Yavad Zarif
    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif
    No áudio, o ministro também elogiou os esforços militares de Soleimani, destacando a cooperação produtiva do da Força Quds antes das invasões dos EUA no Afeganistão e no Iraque. Zarif por fim lamenta que a morte de Soleimani, dizendo que foi uma grande perda para o Irã.

    O ministro das Relações Exteriores abordou o assunto durante a semana e indicou que lamenta profundamente as consequências políticas que resultaram de seu comentário gravado.

    Rouhani observou durante a reunião que as gravações aparentemente vazaram propositalmente, já que as negociações em andamento em Viena, Áustria, destinadas a restaurar o JCPOA, estão "no auge de seu sucesso".

    O presidente iraniano conclui que o vazamento foi realizado "para criar discórdia" dentro do Irã e "só podemos suspender as sanções por meio da unidade".

    Mais:

    Após descoberta de nova variante da COVID-19 na Índia, Alemanha e Irã restringem viagens ao país
    Exército do Irã revela 7 novos produtos militares, incluindo armas de defesa antiaérea (FOTO)
    General do Irã promete não deixar sem resposta ataques de Israel contra Síria
    Embaixador israelense na ONU avisa sobre perigos de míssil balístico 'em desenvolvimento' do Irã
    Tags:
    drones, drone, Corpo de Guardas da Revolução Islâmica (IRGC), Israel, sionismo, sionista, Hassan Rouhani, Qassem Soleimani
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar