00:41 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4220
    Nos siga no

    Na opinião de Richard Black, ex-senador republicano norte-americano, o Daesh sai fortalecido com os ataques de Washington contra milícias iraquianas, que lutam contra a organização terrorista.

    Ataques aéreos dos EUA como o de 26 de fevereiro, ordenado pelo presidente Joe Biden, contra as Forças de Mobilização Popular (PMU, na sigla em inglês) do Iraque, reforçam as atividades do Daesh (organização terrorista, proibida na Rússia e em vários outros países) no Iraque e na Síria, disse no sábado (6) Richard Black, ex-membro republicano do Senado à agência Press TV.

    "As forças [iraquianas] das PMU têm lutado principalmente contra o Daesh e têm sido altamente eficazes contra ele. Portanto, quando os EUA atacam as PMU, eles auxiliam os terroristas do Daesh no Iraque e na Síria", afirmou.

    O bombardeio dos EUA veio após foguetes terem atingido a Zona Verde em Bagdá, onde está localizada a embaixada dos EUA, e após um ataque anterior contra a base militar dos EUA no Aeroporto Internacional de Arbil, no norte do Iraque. De acordo com Richard Black, é até "improvável" que a liderança norte-americana saiba de fato quem lançou os ataques.

    Vista da fronteira entre o Iraque e a Síria e edifícios antes dos ataques aéreos dos EUA em 26 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Handout / Maxar Technologies
    Vista da fronteira entre o Iraque e a Síria e edifícios antes dos ataques aéreos dos EUA em 26 de fevereiro de 2021

    "A Administração Biden escolheu usar os ataques com foguetes à Zona Verde como pretexto para atacar as forças iraquianas (antiterroristas), que estavam efetivamente impedindo os militantes do Daesh de operar ao longo da fronteira sírio-iraquiana. Os ataques visaram território soberano sírio e ocorreram em clara violação do direito internacional", acrescentou ele.

    "Uma política que sempre assume que são as forças iraquianas antiterroristas a dispararem os foguetes dá ao Daesh o poder de desencadear um ataque aéreo americano contra seus inimigos sempre que o Daesh o queira. O Daesh dispara foguetes, nós culpamos as milícias iraquianas, os EUA bombardeiam as forças iraquianas. Essa estratégia é injusta e imoral", apontou.

    "O presidente dos EUA tem o poder de parar estas guerras. No entanto, ele não pode conseguir isso sem retirar totalmente as forças militares [americanas] da região. Os EUA têm usado repetidamente os ataques a suas forças militares como justificativa para o aumento de tropas. Se Joe Biden quisesse deixar um legado duradouro e positivo, ordenaria que todas as tropas dos EUA deixassem o Oriente Médio dentro de 90 dias. No entanto, não espero que isso aconteça", concluiu Black.

    Presença dos EUA na Síria

    O ex-senador chamou a atenção geral após visitar o presidente sírio Bashar Assad em abril de 2016 e setembro de 2018, sendo um dos poucos legisladores nos EUA que criticaram o envolvimento do país na guerra civil síria. Richard Black vê a política norte-americana como uma violação da soberania da Síria e defende a retirada de Washington da região.

    De acordo com a Casa Branca, os ataques aéreos de 26 de fevereiro visaram destruir instalações supostamente operadas pelos grupos Hezbollah e Kataib Sayyid al-Shuhada, que fazem parte das PMU, responsáveis pela luta contra o Daesh na região. No entanto, os EUA afirmam que operam "a mando do Irã".

    Os ataques aéreos dos EUA contra a Síria suscitaram críticas por parte de vários legisladores, levando-os a exigir a restrição dos poderes presidenciais, revogando duas leis, de 1991 e de 2002, que permitem aos presidentes dos EUA usar a força militar em todo o mundo.

    Mais:

    EUA estimulam 'atividade terrorista' na Síria, declaram Moscou e Damasco
    Biden planejou ataque a 2º alvo na Síria em 26 de fevereiro, mas o cancelou, diz mídia
    Pentágono confirma morte após ataque a base americana no Iraque
    Ataque aéreo dos EUA na Síria 'expande as atividades do Daesh na região', diz Irã
    EUA realizam ataque aéreo contra estruturas de milícia apoiada pelo Irã na Síria
    Tags:
    EUA, Síria, Press TV, Hezbollah, Daesh, Joe Biden, Richard Black, Iraque, Forças de Mobilização Popular (FMP), Forças de Mobilização Popular, Senado, Virgínia, Arbil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar