12:48 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    450
    Nos siga no

    Dois senadores dos EUA, o democrata Tim Kaine e republicano Todd Young, reintroduziram um projeto de lei no Senado que visa limitar os poderes do presidente, Joe Biden, de utilizar a força militar através de autorizações existentes há décadas, tendo em conta os recentes ataques aéreos dos EUA na Síria.

    A legislação revogaria as autorizações de 1991 e 2002 para o uso da força militar (AUMF, na sigla em ingês), que o Congresso aprovou em relação à Guerra do Golfo e ao ataque militar dos EUA contra o Iraque, respectivamente.

    "Os ataques aéreos da semana passada na Síria mostram que o Poder Executivo, independentemente do partido, continuará a estender os seus poderes de guerra", escreveu Kaine em um comunicado.

    "As autorizações de 1991 e 2002 para o uso da força militar que apoiaram a Guerra do Golfo e o ataque ao Iraque precisam ser retiradas dos registros para evitar seu uso indevido no futuro. Elas não servem a nenhum propósito operacional e nos mantêm em pé de guerra permanente, minando a soberania do Iraque, um parceiro próximo", sublinhou o senador.

    O democrata concluiu que o projeto de lei colocaria um fim formal ao direito dos EUA de executarem quaisquer ações militares na região sob as autorizações concedidas há 30 e 19 anos respectivamente, "reafirmando o papel vital do Congresso não só em declarar guerras, mas [também] em acabar com elas".

    Míssil cruza o céu sobre Damasco durante o ataque norte-americano ao país
    © AP Photo / Hassan Ammar
    Míssil cruza o céu sobre Damasco durante o ataque norte-americano ao país
    O republicano Young afirmou que sobre questões de uso da força militar, o Congresso "vem operando em piloto automático", desde que as autorizações foram aprovadas.

    As revogações dos poderes de guerra não afetariam as operações em curso dos EUA contra terroristas, aponta a publicação.

    Uma iniciativa legislativa semelhante foi anteriormente introduzida no Senado, mas não recebeu apoio suficiente dos legisladores.

    Em 26 de fevereiro, os EUA realizaram ataques aéreos contra Síria, e tinham como alvo instalações supostamente usadas por milícias apoiadas pelo Irã, o que marcou a primeira ação militar ordenada pela administração Biden.

    De acordo com Pentágono a tal decisão foi uma resposta aos recentes ataques contra os EUA e as forças de coalizão no Iraque que destruíram "múltiplas instalações".

    Mais:

    EUA transferem 10 combatentes do Daesh de sua base na Síria para o leste do país, segundo mídia
    Rússia e Síria acusam EUA de entregarem ajuda humanitária da ONU a terroristas
    Ataque aéreo dos EUA na Síria deixa 'pelo menos 22 mortos'; Iraque nega envolvimento na ação
    Tags:
    Senado dos EUA, Oriente Médio, Síria, ataque aéreo, Joe Biden, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar