09:24 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 42
    Nos siga no

    Com a medida, o Sudão almeja a recuperação financeira – até esta segunda-feira (14), outros países estavam impedidos de negociar com o país, sob pena de sanções.

    Os Estados Unidos retiraram o Sudão da lista de países que apoiam o terrorismo nesta segunda-feira (14). A decisão acontece dois meses depois que o país árabe normalizou as relações com Israel.

    "Isso [a retirada] representa uma mudança fundamental em nosso relacionamento bilateral em direção a uma maior colaboração e apoio à histórica transição democrática do Sudão", disse o secretário de Defesa dos EUA, Mike Pompeo, em um comunicado à imprensa, segundo a Reuters.

    "Esta conquista [...] contribui para as reformas econômicas, atraindo investimentos por meio de canais oficiais, criando novas oportunidades de emprego para os jovens e possibilitando muitos outros aspectos positivos", diz o primeiro-ministro do Sudão, Abdalla Hamdok, em comunicado, de acordo com a AFP.

    Os Estados Unidos incluiu o Sudão na lista de países que apoiam o terrorismo em 1993. A acusação era de que o então presidente do Sudão, Omar al Bashir, abrigava grupos militantes de organizações como a Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), o Hamas e o Hezbollah.

    "Fomos libertados do bloqueio global ao qual fomos forçados pelo comportamento do regime deposto", disse Hamdok, no mesmo comunicado.
    O presidente deposto do Sudão, Omar al-Bashir, durante seu julgamento

    Os EUA disseram ainda que planejam trabalhar com o país árabe "para acabar com os passivos ​​com as instituições financeiras internacionais e para fazer avançar os esforços do Sudão para garantir o alívio das dívidas em 2021".

    A União Europeia também comemorou o "marco significativo", afirmando que a medida proporcionaria "um impulso positivo para a recuperação econômica do país e o aproximaria de um eventual alívio da dívida".

    Mais:

    Cerca de 160 mercenários são presos no Sudão a caminho da Líbia
    Reforço russo na África: Putin aprova construção de base naval no Sudão
    Sudão vai receber cerca de 200 mil refugiados da Etiópia, diz programa da ONU
    Forças etíopes são acusadas de bloquear entrada de refugiados no Sudão
    Tags:
    diplomacia, Mike Pompeo, Estados Unidos, Sudão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar