22:47 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    61135
    Nos siga no

    O porta-aviões dos EUA USS Nimitz, acompanhado por outros navios de guerra, está se dirigindo para o golfo Pérsico a fim de prestar apoio à retirada das tropas americanas da região.

    Segundo uma fonte militar, o envio do grupo de ataque do porta-aviões USS Nimitz não está relacionado com o recente assassinato de um proeminente cientista nuclear iraniano.

    Uma jornalista da CNN informou ontem, citando uma fonte anônima do Pentágono, que o porta-aviões, acompanhado por vários destróieres de mísseis guiados, vai em breve retomar as operações na região do golfo Pérsico.

    Os navios fornecerão "apoio de combate e cobertura aérea enquanto as tropas dos EUA se retiram do Iraque e do Afeganistão". Recentemente Washington confirmou que a saída de tropas deve ocorrer até 15 de janeiro.

    USS Ronald Reagan e o USS Nimitz em formação durante exercícios em 6 de julho de 2020
    USS Ronald Reagan e o USS Nimitz em formação durante exercícios em 6 de julho de 2020

    O funcionário do Pentágono afirmou que a decisão foi tomada antes de surgirem as notícias do assassinato do físico nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh, sugerindo que os dois eventos não estão relacionados.

    Porém, as fontes acrescentaram que a implantação enviaria a Teerã uma "reforçada mensagem de dissuasão", após os iranianos prometerem uma resposta "severa" ao assassinato.

    Neste sábado (28) o presidente do Irã, Hassan Rouhani acusou Israel de ter sido responsável pela morte de Mohsen Fakhrizadeh.

    Mais:

    'Estarão a nosso alcance', oficial iraniano saúda envio de porta-aviões dos EUA ao golfo Pérsico
    Alerta aos EUA? China revela pela 1ª vez detalhes do teste do míssil 'assassino de porta-aviões'
    Cientista nuclear de grande importância é assassinado no Irã, diz mídia (FOTO, VÍDEOS)
    Tags:
    Irã, assassinato, tensão militar, Oriente Médio, USS Nimitz, porta-aviões
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar