11:34 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6226
    Nos siga no

    O secretário de Estado foi o primeiro alto responsável dos EUA nesse cargo a visitar as regiões contestadas pelos palestinos.

    Pompeo chegou em Israel na quarta-feira (18) para uma visita de três dias. Além do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Pompeo tem encontros programados com Benny Gantz, ministro da Defesa israelense e Gabi Ashkenazi, ministro das Relações Exteriores.

    Mike Pompeo, o secretário de Estado dos EUA, visitou as Colinas de Golã, tornando esta a primeira vez que um secretário de Estado norte-americano aparece no local.

    Ele declarou que as Colinas de Golã "são uma parte de Israel e uma parte central de Israel", observando que Trump reconheceu "o fato básico" que os presidentes anteriores se recusaram a fazer.

    "Lembro-me muito pouco tempo depois de ter sido cadete, fui oficial do Exército dos EUA [...] Era a moda nos salões da Europa e nas instituições de elite na América dizer que isto deveria ser devolvido à Síria. Imagine, imagine com [o presidente sírio Bashar] Assad no controle deste lugar, o risco, o prejuízo, para o Ocidente e para Israel e seu povo ", continuou, informa o Departamento de Estado dos EUA.

    Pompeo explicou que ele "queria muito vir aqui nesta viagem para dizer ao mundo que temos o direito" de reconhecer a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã.

    Na quinta-feira (19), Pompeo visitou os assentamentos judeus da Cisjordânia, bem como o vinhedo em que foi produzido um vinho nomeado em sua homenagem como parte da viagem.

    Pompeo também anunciou que os EUA reconheceriam como israelenses todos os produtos provenientes dos assentamentos judeus na Cisjordânia, em uma tentativa de acabar com o boicote global a tais produtos, algo que caracterizou como "uma manifestação de antissemitismo".

    Liga Árabe não dá boas-vindas

    Ahmed Aboul Gheit, o secretário-geral da Liga Árabe, condenou na quinta-feira (19) a visita do diplomata norte-americano.

    "Esta ação é uma violação flagrante da legitimidade internacional, e incentiva o governo israelense de direita a continuar a construção ilegal de assentamentos, considerado o maior obstáculo à paz com base na solução de dois Estados", disse, segundo o jornal Asharq Al-Awsat.

    O funcionário acrescentou que a viagem de Mike Pompeo não mudaria o status internacionalmente reconhecido das terras palestinas.

    Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, à esquerda, e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, fazem uma declaração conjunta após se reunirem em Jerusalém, 19 de novembro de 2020
    © REUTERS / Maya Alleruzzo
    Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, em coletiva de imprensa com Benjamin Netanyahu, premiê de Israel

    Segundo Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do presidente palestino Mahmoud Abbas, a visita de Pompeo foi "um flagrante desafio a todas as resoluções de legitimidade internacional". Ele também criticou a administração dos EUA por "participar ativamente da ocupação dos territórios palestinos".

    "A medida da administração dos EUA de rotular os produtos importados dos assentamentos coloniais israelenses não legitimará os assentamentos, que desaparecerão mais cedo ou mais tarde", declarou, de acordo com a agência de notícias palestina WAFA.

    O Conselho Nacional Palestino, o órgão legislativo da Organização de Libertação da Palestina, por sua vez, afirmou que se trata de um "precedente perigoso", que desafia uma resolução da ONU, a qual chamou as atividades dos assentamentos israelenses de obstáculo para a paz, refere a WAFA.

    Territórios contestados

    A administração Trump reconheceu a soberania israelense sobre as Colinas de Golã. O território ficou sob controle israelense durante a Guerra dos Seis Dias de 1967, e foi posteriormente declarado território israelense em 1981 sob a Lei das Colinas de Golã.

    Israel planejava estender a soberania sobre outros 30% da Cisjordânia, de acordo com o plano do Oriente Médio dos EUA, e era planejado que o processo começasse em 1º de julho. No entanto, Telavive suspendeu seus planos depois que Washington o solicitou como parte de um acordo para normalizar as relações com os Emirados Árabes Unidos.

    Mais:

    Trump kamikaze: veja as medidas bombásticas que o líder pode tomar antes de deixar a Casa Branca
    'Solução de 2 Estados': Bahrein frustra EUA e se opõe a normalizar relações com Israel
    Pompeo afirma lamentar decisão da Palestina de se retirar de acordos com EUA e Israel
    Tags:
    Mahmoud Abbas, Nabil Abu Rudeineh, Ahmed Aboul Gheit, Liga Árabe, Ocidente, Bashar Assad, Donald Trump, Benjamin Netanyahu, Benny Gantz, Mike Pompeo, Colinas de Golã, Cisjordânia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar