07:20 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    82413
    Nos siga no

    Israel e Bahrein concordaram em estabelecer laços diplomáticos menos de um mês após os Emirados Árabes Unidos terem feito o mesmo em um acordo de paz mediado pelos EUA em agosto. A decisão foi condenada pelo Irã e Palestina.

    Após o Bahrein decidir normalizar as relações com Israel, o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã (IRGC, na sigla em inglês) advertiu que o país poderia enfrentar uma "dura vingança" por parte de seu próprio povo, junto com os palestinos.

    "O carrasco governante do Bahrein deve esperar por uma dura vingança dos mujahideen [combatentes islâmicos], a fim de libertar Quds [Jerusalém] e a orgulhosa nação muçulmana deste país", lê-se no comunicado do IRGC, citado pela agência Reuters.

    O comunicado chamou a decisão de estabelecer a paz com Israel "uma grande loucura", dizendo que ela "carece de qualquer legitimidade e receberá as respostas adequadas".

    Ontem, o Ministério das Relações Exteriores iraniano condenou o acordo com o Bahrein, que chamou de "ato vergonhoso que sacrifica a causa da Palestina".

    As ações do Bahrein foram também rejeitadas pela Autoridade Palestina, que denunciou a decisão do país como uma traição aos palestinos.

    Outros países, como o Egito, os Emirados Árabes Unidos e a União Europeia, saudaram a decisão do Bahrein de reconhecer Israel, elogiando-a como um contributo para o estabelecimento da estabilidade no Oriente Médio.

    Mais:

    Rei saudita diz que normalização de laços com Israel só virá com criação de estado palestino
    'Reviravolta incomum': o que está por trás do tratado de paz firmado entre Israel e EAU?
    Acordo dos Emirados Árabes Unidos com Israel é 'traição' ao mundo islâmico, diz líder supremo do Irã
    Tags:
    EUA, Bahrein, Corpo de Guardas da Revolução Islâmica (IRGC), Irã, Israel, Autoridade Nacional Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar