02:55 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 100
    Nos siga no

    Os Estados Unidos tentam impor sanções contra o Irã em um movimento "inadmissível" e "ilegal", afirmou o embaixador do Irã na Organização das Nações Unidas (ONU) Majid Takht Ravanchi.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, apresentou carta ao Conselho de Segurança da ONU nesta quinta-feira (20) em que anuncia que utilizará a Resolução 2231, conhecido como "snapback", do acordo nuclear do Irã para estender um embargo de armas contra Teerã. De acordo com Washington, o Irã não cumpriu com os termos do acordo nuclear. 

    O presidente Donald Trump, contudo, saiu de maneira unilateral do acordo nuclear iraniano em maio de 2018. Os Estados Unidos decidiram apresentar a carta ao Conselho de Segurança da ONU após o órgão rejeitar uma resolução de Washington que defendia a prolongamento do embargo na venda de armas. 

    "Os Estados Unidos não participam do acordo nuclear do JCPOA [Plano de Ação Conjunto Global, o acordo nuclear iraniano] e não têm o direito de acionar o chamado mecanismo de snapback. Sua interpretação arbitrária da resolução 2231 não pode mudar essa realidade", disse Ravanchi. "Assim, temos a firme convicção de que a carta enviada hoje pelos EUA ao presidente do Conselho de Segurança, e todas as referências nela contidas, não está em um vácuo e não tem legitimidade jurídica e, portanto, é inadmissível."

    O embaixador do Irã na ONU afirmou que os Estados Unidos tentam enganar a comunidade internacional. "Isso não passa de bullying ilegal e político", acrescentou Ravanchi.

    Mais:

    'Indesculpável': ONU rejeita manutenção de embargo de armas ao Irã e irrita os EUA
    ONU pede US$ 565 milhões em ajuda para recuperação do Líbano
    China garante: EUA não têm o direito de reimpor sanções da ONU ao Irã
    EUA mentiram sobre petroleiros iranianos para esconder fracasso político na ONU, afirma Rouhani
    Tags:
    acordo nuclear, sanções, Estados Unidos, Irã, Conselho de Segurança, ONU
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar