05:33 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6103
    Nos siga no

    O sucessor do general Qassem Soleimani no comando da Força Quds, do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, Esmail Ghaani, prometeu "vingança" contra a morte do líder iraniano. 

    "Deus todo poderoso prometeu se vingar, e Deus é o maior vingador. Certamente ações serão tomadas", disse Ghaani em uma entrevista para a emissora estatal iraniana, segundo citado pela agência AP. 

    Ghaani, que anteriormente ocupava o cargo de comandante-adjunto da unidade, foi designado pelo líder supremo do Irã, Ali Khamenei, na última sexta-feira (3), mesmo dia em que Soleimani foi morto em um bombardeio efetuado pelos Estados Unidos em Bagdá. 

    'Continuar caminho do mártir Soleimani'

    "Prometemos continuar no caminho do mártir Soleimani tão firmemente quanto antes com ajuda de Deus, em troca por seu martírio pretendemos expulsar a América da região", acrescentou Ghaani, que por sua atuação na Força Quads sofre sanções dos EUA desde 2012. 

    Desde a operação que executou o general, um dos líderes mais influentes do Irã e do Oriente Médio, a região vive uma escalada de tensão. Milhares de iranianos protestaram contra a operação norte-americana e renderam homenagens a Soleimani. 

    Os EUA, por sua vez, afirmam que têm 52 alvos iranianos identificados e prontos para serem atingidos.

    Neste domingo (5), o presidente norte-americano, Donald Trump, disse que o Irã sofreria uma "grande retaliação" se atacasse os EUA. Ele ameaçou lançar ataques contra sítios culturais iranianos.

    Mais:

    Trump ameaça atacar Irã 'ainda mais forte do que eles foram atacados antes'
    Major-general do Irã: vingança estratégica colocará fim à presença dos EUA na região
    Alemanha, França e Reino Unido pedem para Irã respeitar acordo nuclear
    Tags:
    conflito, Crise, oriente médio, Aiatolá Ali Khamenei, Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, Al-Quds, Qassem Soleimani, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar