00:35 28 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    818190
    Nos siga no

    Donald Trump escreveu no seu Twitter que o ataque aéreo do seu país contra aeroporto de Bagdá foi retaliação às atividades do Irã na região e ameaçou realizar ataques aéreos contra cidades do Irã.

    O comandante militar iraniano Qassem Soleimani foi morto nesta sexta-feira em Bagdá por um ataque aéreo dos EUA autorizado pelo presidente Donald Trump. O Irã prometeu vingar-se severamente do assassinato, enquanto o governo Trump alegou estar buscando acalmar as tensões na região.

    Por outro lado, Donald Trump publicou uma em uma série de tweets neste sábado às ameaças da liderança iraniana. O presidente dos EUA ameaçou Teerã, alertando sobre um possível ataque contra "52 locais iranianos".

    "O Irã está falando muito ousadamente sobre ter como alvo certos ativos dos EUA como vingança por livrarmos o mundo de seu líder terrorista que acabara de matar um americano e ferir gravemente muitos outros, sem mencionar todas as pessoas que ele matou ao longo de sua vida, incluindo recentemente centenas de manifestantes iranianos. Ele já estava atacando nossa embaixada e se preparando para ataques adicionais em outros locais.", escreveu o norte-americano.

    "O Irã tem sido um problema há muitos anos. Que isso sirva como um aviso de que, se o Irã atingir americanos ou ativos americanos, temos 52 locais iranianos na mira (representando os 52 reféns americanos tomados pelo Irã há muitos anos), alguns em um nível muito alto e importante para o Irã e a cultura iraniana, e esses alvos, e o próprio Irã, serão atingidos rápidamente e com muita força. Os EUA não querem mais ameaças!", concluiu Donald Trump.

    Trump se referiu aos eventos dramáticos que chocaram a comunidade global em 1979. Na época, 52 funcionários diplomáticos americanos foram mantidos como reféns no Irã por 444 dias. Em função desses eventos, Estados Unidos e o Irã romperam laços diplomáticos. Desde então, os Estados Unidos iniciaram a adoção de sanções contra o Irã.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar