01:12 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Salman Bin Abdulaziz Al Saud, rei da Arábia Saudita

    Arábia Saudita acusa Irã pelo 'caos' na região

    © Foto / Ministério da Defesa da Rússia
    Oriente Médio e África
    URL curta
    619
    Nos siga no

    O rei Salman da Arábia Saudita desafiou os inimigos do reino nesta quarta-feira, afirmando que os ataques com mísseis e drones que atribui ao Irã não interromperam o desenvolvimento de Riad.

    Durante seu discurso anual na Assembleia Consultativa da Arábia Saudita, o rei Salman cobrou mais uma vez da comunidade internacional uma atitude contra os programas de mísseis nucleares e balísticos de Teerã. O chefe de Estado acusou o país vizinho de provocar "caos e destruição" no Oriente Médio, informou Reuters.

    A autoridade também garantiu que Arábia Saudita, na qualidade de maior exportador de petróleo do mundo visa promover a estabilidade do mercado.

    "Embora o reino tenha sido vítima de ataque de 286 mísseis balísticos e 289 drones, de uma maneira que não foi vista em nenhum outro país, isso não afetou o processo de desenvolvimento do reino nem a vida de seus cidadãos e residentes", afirmou o rei perante a Assembleia, que contou com a presença de membros da realeza e de diplomatas estrangeiros.

    A Arábia Saudita muçulmana, sunita, e o Irã, xiita, estão envolvidos em uma luta por influência em toda a região, apoiando lados opostos em conflitos na Síria e no Iêmen.

    As tensões na região aumentaram com a saída dos EUA do acordo nuclear sobre o programa nuclear iraniano e o retorno das sanções norte-americanas contra Teerã.

    Washington e Riad culpam Teerã pelos ataques contra navios petroleiros nas águas do Golfo e outras instalações sauditas. O Irã nega seu envolvimento.

    Já no Iêmen, a Arábia Saudita lidera uma coalizão militar que enfrenta os houthis, alinhados ao Irã, em uma guerra de quase cinco anos e milhares de vítimas. O rei Salman afirmou que o reino busca uma solução política para o conflito.

    Tags:
    Irã, Arábia Saudita, Oriente Médio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar