11:09 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento de um míssil balístico pelo Irã

    Irã tem 'a maior força de mísseis do Oriente Médio', afirma relatório do Pentágono

    © AP Photo / Amir Kholousi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    15371
    Nos siga no

    Apesar de décadas de sanções, o Irã conseguiu desenvolver seu arsenal de mísseis, maior do que qualquer outro país do Oriente Médio, incluindo Israel, revelou um estudo do Pentágono nesta terça-feira.

    "O Irã tem um extenso programa de desenvolvimento de mísseis, e o tamanho e a sofisticação de sua força de mísseis continuam a crescer, apesar de décadas de esforços de contraproliferação que visam conter seu avanço", afirmou a Agência de Inteligência de Defesa.

    O estudo informou que o Irã considera os mísseis uma necessidade estratégica devido às limitações de sua força aérea, que ainda tem alguns aviões dos EUA encomendados pelo xá pró-Ocidente, que foi derrubado em 1979.

    "Na falta de uma força aérea moderna, o Irã adotou mísseis balísticos como uma capacidade de ataque de longo alcance para dissuadir seus adversários na região - principalmente Estados Unidos, Israel e Arábia Saudita - de atacar o Irã", afirmou o relatório.

    O Irã tem "a maior força de mísseis do Oriente Médio", prosseguiu o documento. Um oficial de inteligência dos EUA comentou sob condição de anonimato que a avaliação incluía Israel.

    O relatório dizia também que o Irã havia desenvolvido uma série de mísseis que poderiam atingir uma distância de 2.000 km - capaz de atingir Israel ou a Arábia Saudita.

    Tecnologia iraniana

    O Irã em 2017 apresentou o míssil Khoramshahr, com 1.250 milhas de alcance, que pode carregar várias ogivas. O estudo do Pentágono, de acordo com um tweet do presidente Donald Trump na época, disse que o míssil parecia usar tecnologia da Coreia do Norte.

    Exercícios militares no Irã com lançamento de míssil terra-mar Saegheh
    © AP Photo / Fars News Agency/Mehdi Marziad
    Exercícios militares no Irã com lançamento de míssil terra-mar Saegheh

    Mas o documento do Pentágono disse que o Irã estava gastando um pouco menos em suas Forças Armadas, com US$ 20,7 bilhões orçados em 2017.

    A economia do Irã está sob crescente pressão desde que Trump retirou-se no ano passado de um acordo de desnuclearização e reimpondo sanções abrangentes.

    Christian Saunders, especialista em Irã na Agência de Inteligência de Defesa, alertou sobre o impacto se um embargo de armas for levantado no Irã no próximo ano.

    "Essas restrições devem expirar em outubro de 2020, proporcionando a Teerã a oportunidade de adquirir algumas capacidades avançadas que estão além de seu alcance há décadas", declarou Saunders a repórteres.

    A República Islâmica enfrenta sanções impostas pela ONU contra a importação de armas desde 2006, mas o embargo deve expirar cinco anos após a implementação do acordo nuclear.

    O acordo, que o Irã alcançou em 2015 com o governo do ex-presidente Barack Obama, bem como com a Grã-Bretanha, China, França, Alemanha e Rússia, está sob sério risco após a saída de Trump e Teerã ter tomado medidas para acabar com o cumprimento como um protesto contra as sanções continuadas.

    Um oficial de inteligência dos EUA esperava que o Irã se concentrasse na aquisição de caças e tanques de batalha, sendo a Rússia e a China os fornecedores mais prováveis.

    O Irã argumenta que deve manter suas defesas, apontando o apoio ocidental a Saddam Hussein durante a guerra Irã-Iraque e o programa nuclear não declarado de Israel.

    Mais:

    Após protestos, EUA criticam Irã por supostamente tentar desligar Internet no país
    Jogando cartas com o inimigo: Rússia, China e Irã são curingas do novo baralho do Exército dos EUA
    Protestos no Irã: o aumento no preço dos combustíveis pode levar a uma nova revolução?
    Tags:
    acordo nuclear, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), sanções, segurança, defesa, sistema de mísseis, míssil balístico, mísseis, Pentágono, Oriente Médio, Israel, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar