07:09 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu se pronuncia a membros do seu partido enquanto tenta negociar uma coalisão para seguir no comando de Israel, em 17 de novembro de 2019

    Netanyahu propõe anexar Vale do Jordão em nova tentativa de formar governo em Israel

    © REUTERS / Nir Elias
    Oriente Médio e África
    URL curta
    524
    Nos siga no

    Em nova tentativa de formar uma coalizão para governar Israel, Netanyahu propõe a formação de governo de unidade nacional para anexar o Vale do rio Jordão. Se não se conseguir formar governo, a terceira eleição em menos de um ano deve ser convocada em Israel.

    Em sua conta no Twitter, o primeiro-ministro israelense fez um novo apelo para formar um governo de coalizão nacional, com o objetivo de anexar o vale do Rio Jordão:

    "Convidei o [líder do partido Azul e Branco] Benny Gantz e o [dirigente do partido Yisrael Beitenu] Avignor Lieberman a formar um governo de unidade nacional que proteja Israel e anexe o Vale do Jordão", disse o primeiro-ministro.

    Netanyahu vê o momento como propício à anexação, dadas as recentes declarações do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, de que os assentamentos israelenses na Cisjordânia não são contrários ao direito internacional.

    As declarações de Pompeo representam uma reviravolta na política norte-americana para o processo de paz no Oriente Médio.

    Pedreiros constroem novo assentamento israelense na região de Ramat Givat Zeev, na Cisjordânia ocupada, em 19 de novembro de 2019.
    © REUTERS / Ammar Awad
    Pedreiros constroem novo assentamento israelense na região de Ramat Givat Zeev, na Cisjordânia ocupada, em 19 de novembro de 2019.

    A política de construção de assentamentos israelenses em terras destinadas à criação do Estado da Palestina é considerada ilegal por resolução do Conselho de Segurança da ONU, do qual os EUA são membro permanente com poder de veto.

    Correndo contra o tempo

    Nesta terça-feira (19), uma nova tentativa de negociar um governo de coalizão em Israel fracassou. O mandato para formar um novo governo expira na noite desta quarta-feira (20) e, caso as negociações não tenham sucesso, serão convocadas novas eleições.

    No último pleito, realizado em setembro, o partido Azul e Branco, liderado por Benny Ganz, ganhou uma pequena maioria, ultrapassando o número de cadeiras do partido de Netanyahu. No entanto, nenhum dos líderes foi capaz de formar um governo até a manhã desta quarta-feira (20).

    © REUTERS / Mussa Issa Qawasma
    Forças de segurança de Israel apontam suas armas durante protesto contra a demolição de casas de palestinos, próximas à cidade de Hebron, em 19 de novembro de 2019

    O ponto de discórdia entre Ganz e Netanyahu é a inclusão da bancada de parlamentares árabes na coalizão. Netanyahu não aceita dividir o poder com líderes de ascendência árabe e declarou que "não se deve formar um governo que dependa de apoiadores do terror".

    O fiel da balança é o ex-ministro da Defesa de Netanyahu, Avigdor Lieberman, líder do terceiro maior partido do parlamento israelense, Yisrael Beitenu. Caso seja convocado novo processo eleitoral, será o terceiro em menos de um ano em Israel.

    Mais:

    Israel testa nova estratégia ar-terra em conflito na Faixa de Gaza
    Síria derruba série de mísseis lançados por Israel sobre Damasco (VÍDEO)
    Exército de Israel confirma ataque aéreo maciço contra alvos na Síria
    Tags:
    conflito israel palestina, assentamentos, Cisjordânia, Benjamin Netanyahu, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar