03:33 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    202437
    Nos siga no

    Os Estados Unidos afirmaram nesta segunda-feira (18) que não consideram mais os assentamentos de Israel na Cisjordânia ocupada uma quebra do direito internacional.

    A mudança foi anunciada pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que afirmou em coletiva de imprensa que os assentamentos não são "por si só, inconsistentes com o direito internacional".

    O chefe da diplomacia de Washington criticou um parecer de 1978 do Departamento de Estado que classificou os assentamentos como ilegais. É a mais recente das medidas do governo Trump para reforçar o domínio de Israel sobre a Cisjordânia e Jerusalém Oriental, territórios reivindicados pelos palestinos para estabelecer seu próprio Estado.

    Cerca de 600 mil israelenses vivem em assentamentos em territórios ocupados da Palestina. 

    "Chamar o estabelecimento de assentamentos civis inconsistentes com o direito internacional não funcionou, não avançou a causa da paz", disse Pompeo. "A dura verdade é que nunca haverá uma resolução judicial para o conflito, e argumentos sobre quem está certo e quem está errado por uma questão de direito internacional não trará paz''.

    Pompeo disse que a decisão dos EUA não deve ser usada como precedente para nenhuma outra parte do mundo ou interpretada como uma tentativa de prejudicar o status final da Cisjordânia.

    "Não estamos tratando ou prejudicando o status final da Cisjordânia. Isso é para israelenses e palestinos negociarem", acrescentou.

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, agradeceu à administração de Trump por "corrigir um erro histórico".

    "A política reflete uma verdade histórica - o povo judeu não é colonialista estrangeiro na Judéia e Samaria [nome de Israel para a Cisjordânia]. Na verdade, somos chamados judeus porque somos o povo da Judéia", afirma Netanyahu.

    Diferentemente de Israel e dos EUA, a comunidade internacional vê a presença e expansão de assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada e na anexada Jerusalém Oriental como uma medida ilegal e um dos principais obstáculos para a paz no Oriente Médio. 

    A decisão de Washington foi alvo de críticas da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). 

    "A lei e o sistema internacional definem claramente a ilegalidade dos assentamentos israelenses, incluindo o Tribunal Internacional de Justiça, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha", disse Saeb Erekat, secretário-geral da OLP. 

    Mais:

    Presidente do Irã: EUA e Israel estão por trás de 'todas as guerras e massacres' no Oriente Médio
    EUA afirmam que Irã é responsável por conflito recente entre Israel e Palestina
    Caças F-35 enfrentaram Patriot passando por S-400 russos durante exercícios aéreos em Israel (VÍDEO)
    Israel permanece totalmente livre para agir na Faixa de Gaza, diz Netanyahu
    Jovens palestinos ficam gravemente feridos em confronto com militares de Israel
    Tags:
    Palestina, israel, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar