06:22 01 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    962
    Nos siga no

    O casamento entre os judeus da diáspora - particularmente aqueles na América do Norte - é "como um segundo Holocausto", declarou o ministro da Educação de Israel, Rafi Peretz, em uma reunião de gabinete, unindo grande parte dessa diáspora em ofensa chocante.

    A comunidade judaica "perdeu 6 milhões de pessoas" nos últimos 70 anos por causa do casamento e assimilação, Peretz disse em uma reunião do gabinete sobre as tendências das comunidades judaicas em todo o mundo, particularmente nos EUA. Seu porta-voz confirmou a declaração ao canal israelense 13.

    Judeus americanos, sem surpresa, ficaram indignados. O diretor-executivo da Liga Anti-Difamação (ADL), Jonathan Greenblatt, chamou as observações de "inconcebíveis" em um tweet, acrescentando que "esse tipo de comparação sem base faz pouco além de inflamar e ofender".

    A ADL twittou uma resposta adicional em hebraico, culpando a afirmação de Peretz por "adicionar à tensão já existente entre Israel e os judeus dos EUA" e implorando a ele que "envolva-se em um diálogo respeitoso".

    "O governo de Israel tem a responsabilidade moral de manter e melhorar as relações do país com os judeus da diáspora em geral, e com a comunidade judaica americana em particular", comentou Jay Ruderman, presidente da Ruderman Family Foundation, uma organização judaica que defende pessoas com deficiências.

    E os colegas ministros de Peretz - alguns deles, pelo menos - tiveram uma visão obscura do comentário. "Primeiro precisamos parar de desconsiderar e desprezar os judeus na América que se veem como judeus não apenas religiosamente, mas ainda mais cultural e historicamente", argumentou o ministro da Energia, Yuval Steinitz.

    Mas o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu compartilhou o alarde de Peretz sobre as tendências demográficas, alegando que os judeus dos EUA estão abandonando as tradições judaicas em uma tendência que não é facilmente revertida.

    O apoio a Israel entre os judeus americanos vem declinando há anos, e os comentários de Peretz - longe de serem os primeiros a comparar a assimilação ao Holocausto - dificilmente curarão a ruptura.

    Mais:

    Força Aérea israelense teria atacado instalação subterrânea do Hamas na Faixa de Gaza
    'Se os EUA nos atacarem, Israel terá apenas meia hora de vida', diz deputado iraniano
    Israel ameaça atingir Irã em guerra e promete impedir que Teerã 'obtenha armas nucleares'
    Tags:
    ódio, imigrantes, diplomacia, judeus, holocausto, Benjamin Netanyahu, América do Norte, Estados Unidos, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar