20:26 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu após a assinatura do documento que reconhece a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã

    EUA advertem Israel contra avanço de investimentos chineses: 'não podemos ser amigos'

    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1432
    Nos siga no

    Os Estados Unidos estão preocupados com o aprofundamento do investimento da China em Israel, e seu último projeto de orçamento militar adverte explicitamente seu aliado do Oriente Médio contra fazer negócios com Pequim, citando "implicações de segurança".

    Embora o presidente estadunidense Donald Trump tenha repetidamente falado sobre seu apoio inabalável a Israel e ao seu agora primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o Senado dos EUA está ficando inquieto com os laços crescentes da China com o Estado judeu.

    Em particular, a decisão de Israel de arrendar um porto na cidade de Haifa, no norte do país, ao Grupo de Portos Internacionais de Xangai está sob intenso escrutínio. Um rascunho da Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA) de 2020 - que estabelece o orçamento e as prioridades dos militares dos EUA para o próximo ano - inclui uma referência específica ao porto.

    Como Haifa tem sido um ponto de ancoragem para a Sexta Frota dos EUA, o NDAA alerta Israel que Washington "tem sérias preocupações de segurança com relação aos acordos de arrendamento", e insta o governo israelense a "considerar as implicações de segurança do investimento estrangeiro em Israel".

    O projeto foi aprovado na quinta-feira pelo Comitê de Serviços Armados do Senado, presidido pelo senador republicano Jim Inhofe, um firme defensor de Israel. Ele provavelmente passará por uma votação no Senado antes de o Congresso acabar em agosto.

    O aviso de Inhofe se baseia na crescente pressão anti-China da administração Trump. A suposta relutância do governo israelense em realizar investigações de segurança sobre os investimentos chineses já enfureceu a Casa Branca, assim como Tel Aviv concedeu vários contratos-chave de infraestrutura para empresas chinesas. Estes incluem um porto privado de US$ 1 bilhão em Ashdod concedido à China Harbour Engineering Company, e um contrato de US$ 4,1 bilhões para o trânsito ferroviário de luz na capital israelense, para o qual quatro empresas estatais chinesas estão licitando atualmente.

    Autoridades americanas disseram aos israelenses no ano passado que "os Estados Unidos não poderiam ser amigos de um país para o qual a China estava construindo portos", informou o jornal israelense Haaretz. O conselheiro de segurança nacional John Bolton também levantou preocupações espionando em torno das empresas de tecnologia chinesas Huawei e ZTE com seu homólogo israelense Meir Ben-Shabbat em abril. Ambas as empresas estão oferecendo atualmente na rede 5G de Israel.

    Legisladores americanos, particularmente republicanos como Inhofe, relutam em criticar Israel. No entanto, Washington possui significativa influência na forma do NDAA, que é ajustado a cada ano para refletir as metas geopolíticas dos EUA.

    Em sua iteração atual, o projeto de US$ 750 bilhões aloca mais de US$ 500 milhões para sistemas de defesa antimísseis em Israel, como o Iron Dome, o David's Sling e o Arrow 3. Ele também fornece suporte para sistemas anti-drone israelenses e operações contra os chamados túneis de terror usados por militantes palestinos para infiltrar-se em Israel.

    Além das provisões do NDAA, o Senado dos EUA aprovou uma lei no ano passado que prevê um pacote de ajuda militar de US$ 38 bilhões para Israel, a ser administrado em 10 anos.

    Embora os EUA subscrevam uma porção significativa da defesa de Israel e relutem em criticar o Estado judeu, a administração Trump e o Congresso possivelmente terão que avaliar a importância da aliança com Israel contra a necessidade de combater a China, aumentando as tensões entre os aliados de longa data.

    Mais:

    Inteligência de Israel: Irã não obterá bomba nuclear mesmo saindo de acordo nuclear
    Rússia nega negociações com os EUA e Israel em novo acordo para conflito na Síria
    Objetivo do Hezbollah é a 'destruição de Israel', diz deputada da direita alemã
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, Huawei, ZTE, tecnologia 5G, Benjamin Netanyahu, Donald Trump, Israel, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar