18:20 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    1101
    Nos siga no

    A questão russa deve gerar cisões cada vez mais profundas entre os membros da OTAN. Países como França e Itália ressentem o tom agressivo que países do leste europeu empregam para tratar da potência euroasiática, diz analista.

    As diferenças de interesses entre os membros da OTAN vêm à tona quando o assunto é a Rússia, acredita o cientista político e professor de estudos internacionais da Universidade de Trento, na Itália, Vincenzo Della Sala.

    "A OTAN ainda não definiu a sua posição em relação à Rússia […] Os países da Europa central e do leste, que entraram na aliança há pouco tempo, estão convencidos que a aliança deve, em primeiro lugar, tratar da ameaça russa", explicou Della Sala.

    De acordo com o especialista, para os países do leste é muito importante garantir que o princípio de defesa mútua é assegurado. O princípio estabelece que a aliança defenda qualquer país membro que eventualmente seja atacado.

    Soldado estoniano participa dos exercícios militares anuais em conjunto com as tropas da OTAN, Estônia (foto de arquivo)
    © AFP 2020 / RAIGO PAJULA
    Soldado estoniano participa dos exercícios militares anuais em conjunto com as tropas da OTAN, Estônia (foto de arquivo)

    Ao mesmo tempo, países como a França e a Itália preferem uma relação mais aberta entre a aliança e a Rússia para o desenvolvimento de cooperação em áreas como o combate ao terrorismo.

    "Esses dois grupos da discussão dentro da OTAN se relacionam entre si com grande suspeição. Aqueles que estão abertos em relação à Rússia acreditam que certos países do leste europeu aumentam as tensões de maneira desnecessária ao empregar um tom agressivo", disse.

    Por outro lado, os países da Europa central e do leste consideram que os países da Europa ocidental não prestam atenção suficiente à ameaça russa. Neste caso, o fiel da balança poderiam ser os EUA.

    "A indefinição atual da posição dos EUA em relação à Rússia significa que essa tensão continuará a aumentar a desconfiança mútua dentro da aliança e com a Rússia", concluiu.

    Mais cedo, o embaixador da Rússia em Londres, Andrei Kelin, declarou em entrevista ao canal britânico Channel 4 que a Rússia está pronta para rever os termos das relações com a aliança, apesar dos pontos divergentes.

    Tanques da OTAN na Letônia, perto da fronteira com a Rússia
    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Tanques da OTAN na Letônia, perto da fronteira com a Rússia

    Apesar das discordâncias, a Rússia e a OTAN mantêm um conselho que se reúne periodicamente para discutir assuntos de interesse mútuo.

    A reunião mais recente do Conselho Rússia-OTAN tratou do acordo de redução de mísseis de curto e longo alcance, o Tratado INF, em 5 de julho de 2019 em Bruxelas.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Aproximação da OTAN às fronteiras da Rússia é ameaça para segurança do país, diz Vladimir Putin
    'Abaixe o tom': mensagem de França e Alemanha para Trump durante a cúpula da OTAN
    VÍDEO capta líderes da OTAN aparentemente tirando sarro de Trump durante conferência em Londres
    Tags:
    expansão, Europa Oriental, Itália, França, Conselho Rússia-OTAN, OTAN, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar