06:49 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0 220
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas notícias mais importantes desta quarta-feira (2), marcada pela retração histórica do PIB brasileiro, pela sessão do STJ que definirá o destino do governador Witzel e pela declaração de Trump sobre protestos contra violência policial serem "terrorismo doméstico".

    PIB brasileiro sofre retração histórica de 9,7% no 2º trimestre

    O PIB brasileiro retraiu 9,7% no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre de 2020, e 11,4% em relação ao mesmo período do ano passado, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta terça-feira (1º). Ambas as quedas são as mais severas da série histórica, iniciada em 1996. A queda brasileira deixa a China como uma das únicas economias de peso que ainda registra taxas de crescimento em meio à pandemia, informou a AFP. O Brasil é o segundo país mais afetado pela COVID-19, com 122.681 óbitos e 3.952.790 pessoas infectadas.

    Pedestres caminham em mercado informal no Centro do Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2020
    RICARDO MORAES
    Pedestres caminham em mercado informal no Centro do Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2020

    STJ deve definir hoje destino de governador do Rio

    Nesta quarta-feira (2), corte especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) vai analisar o caso do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afastado do cargo por 180 dias por decisão judicial na sexta-feira (28). A Procuradoria-Geral da República (PGR) declarou estar "convicta" de que o governador deve ser preso no âmbito da Operação Trin In Idem, que investiga desvio de recursos no estado. A defesa de Witzel pediu a suspensão do julgamento previsto para esta quarta-feira (2).

    Governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC)
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC)

    Trump considera protestos de Wisconsin 'terrorismo doméstico'

    Nesta terça-feira (1º) o presidente dos EUA e candidato à reeleição, Donald Trump, classificou os protestos contra violência policial como "terrorismo doméstico", durante visita à cidade de Kenosha, em Wisconsin. A cidade vive onda de protestos após o afro-americano Jacob Blake ter sido baleado pela polícia na frente de seus três filhos. "Esses não são atos de manifestações pacíficas, mas, sim, de verdadeiro terrorismo doméstico", declarou o presidente. A campanha de Trump aposta na agenda do combate à criminalidade para angariar votos entre norte-americanos indecisos, reportou a Reuters.

    Manifestante participa de ato de budistas em favor do movimento Black Lives Matter (Vidas negras importam), na cidade de Portland, Oregon, EUA, 1º de setembro de 2020
    © REUTERS / Caitlin Ochs
    Manifestante participa de ato de budistas em favor do movimento Black Lives Matter (Vidas negras importam), na cidade de Portland, Oregon, EUA, 1º de setembro de 2020

    FBI nega ataques cibernéticos a bases de dados eleitorais norte-americanas

    O Departamento de Segurança Interna e o Departamento Federal de Investigações (FBI, na sigla em inglês) dos EUA emitiram nota conjunta nesta terça-feira (1º), negando que ataques cibernéticos tenham sido perpetrados contra bases de dados de eleitores dos EUA. Anteriormente, o jornal russo Kommersant reportou que dados de eleitores norte-americanos estavam disponíveis na "deep web", parte da Internet que não está indexada aos serviços de busca. As autoridades dos EUA minimizaram o ocorrido, lembrando que as informações disponíveis seriam facilmente coletadas em redes sociais e que "informações sobre as eleições nos EUA vão chamar a atenção da mídia, particularmente se forem apresentadas como intervenção estrangeira".

    Manifestantes a favor e contra o presidente norte-americano Donald Trump discutem na cidade de Kenosha, Wisconsin, EUA, 1º de setembro de 2020
    © REUTERS / Kamil Krzaczynski
    Manifestantes a favor e contra o presidente norte-americano Donald Trump discutem na cidade de Kenosha, Wisconsin, EUA, 1º de setembro de 2020

    Israel e EAU devem assinar acordo de paz na Casa Branca

    O acordo de paz entre Israel e Emirados Árabes Unidos, mediado pelos EUA, deve ser assinado na Casa Branca no dia 18 de setembro, reportou o portal Axios. As negociações estariam evoluindo de forma mais rápida do que a esperada, em função de visita de delegação de altos funcionários de Israel e EUA a Abu Dhabi, realizada nesta segunda-feira (31). A delegação norte-americana, chefiada pelo genro e conselheiro de Trump, Jared Kushner, segue para Bahrein e planeja visitar a Arábia Saudita e o Qatar para fomentar acordos similares, informou o portal.

    Assessor da Casa Branca, Jared Kushner (centro), durante reunião entre altos funcionários dos Emirados Árabes Unidos (EAU) e Israel, celebrada em Abu Dhabi (EAU), 31 de agosto de 2020
    © REUTERS / Ministério de Assuntos Presidenciais EAU
    Assessor da Casa Branca, Jared Kushner (centro), durante reunião entre altos funcionários dos Emirados Árabes Unidos (EAU) e Israel, celebrada em Abu Dhabi (EAU), 31 de agosto de 2020

    EUA ameaçam Minsk e Moscou com sanções, em função de crise na Bielorrússia 

    Nesta terça-feira, o vice-ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Oleg Kravchenko, e o encarregado de negócios da Embaixada dos EUA em Minsk se reuniram para debater a crise política desencadeada após as eleições presidenciais bielorrussas. Os EUA consideram impor sanções não só contra sete autoridades do país europeu que estariam ligadas a supostas fraudes no pleito de 9 de agosto, mas também contra a Rússia, caso Moscou desempenhe papel ativo na resolução da crise. O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, afirmou à Sputnik que a Rússia age para facilitar a resolução da crise política, mas não vai interferir nos assuntos internos de seu país vizinho.

    Mais:

    Vacina russa é feita com tecnologia nova e avançada, diz diretor-presidente do Tecpar
    'Guardiões do Crivella' mostram 'institucionalização' da violência contra imprensa, conforme Fenaj
    Putin: alguns acham que saíram vitoriosos da Guerra Fria e que podem reescrever a história
    Tags:
    Donald Trump, Governo do Estado do Rio de Janeiro, pandemia, COVID-19, recessão, PIB, Brasil, EAU, israel, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar