09:48 13 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    335
    Nos siga no

    Diplomata do Irã, Assadollah Assadi foi condenado pela Justiça da Bélgica a 20 anos de cadeia por ter elaborado uma tentativa de atentado na França.

    Condenado nesta quinta-feira (4), o diplomata Assadollah Assadi e três outros cúmplices foram julgados por tentativa de assassinato de carácter terrorista, escreve a Rádio França Internacional.  

    No entendimento da Justiça belga, Assadollah Assadi seria o principal responsável por um plano que envolvia um atentado na França contra uma reunião de opositores ao governo de Teerã.

    Essa tentativa de atentado foi neutralizada pelas forças de segurança da Bélgica há três anos.

    União Europeia analisa implicações da sentença contra diplomata

    O diplomata iraniano nega as acusações e esteve ausente no pronunciamento da sentença. Seu advogado indicou que provavelmente vai interpor recurso da sentença. Assadollah Assadi figura atualmente na lista antiterrorista da União Europeia.

    O que diz o Irã

    O governo de Teerã havia dito mesmo antes da sentença que não reconhecia os atos do tribunal belga, que não tem legitimidade por causa da imunidade diplomática de Assadollah Assadi.

    De acordo com informações do portal Press TV, o Ministério das Relações Exteriores do Irã condenou veementemente a prisão contra o diplomata, dizendo que ela é totalmente ilegal e resultado da queda do país europeu sob a influência de um culto terrorista anti-Irã.

    Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã, participa de coletiva de imprensa em Caracas, Venezuela, 5 de novembro de 2020
    © AP Photo / Matias Delacroix
    Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã, participa de coletiva de imprensa em Caracas, Venezuela, 5 de novembro de 2020

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Saeed Khatibzadeh, repetiu a afirmação de Teerã de que todos os procedimentos que haviam sido iniciados até agora contra o diplomata, seja sua prisão, o caso movido contra ele, ou mesmo a condenação, eram todos "ilegais" e constituíam "violação flagrante do direito internacional, incluindo a Convenção de Viena de 1961 sobre relações diplomáticas".

    "A República Islâmica não reconhece nenhum desses procedimentos", acrescentou Khatibzadeh.

    "A República Islâmica do Irã se reserva ao direito de recorrer a todos os meios legais e diplomáticos possíveis para promover os direitos de Assadollah Assadi e responsabilizar os Estados que violaram suas obrigações internacionais", disse ele.

    Mais:

    Irã aprofunda quebra de acordo nuclear ao instalar novas centrífugas mais eficientes, diz mídia
    Coreia do Sul chega a acordo com EUA para usar dinheiro bloqueado do Irã para pagar dívidas à ONU
    EUA negociam 'frente unificada' com a Europa para discutir programa nuclear do Irã, diz assessor
    Tags:
    diplomata, ato terrorista, antiterrorismo, terrorismo, Ministério da Defesa da Bélgica, Bélgica, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar