01:42 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    180
    Nos siga no

    Após teste positivo para o novo coronavírus, o presidente da França, Emmanuel Macron, ficará em isolamento durante sete dias, exercendo as funções presidenciais à distância, revelou a assessoria de imprensa do Palácio de Elysée.

    "Em concordância com os vigentes regulamentos de saúde aplicáveis a todos, o presidente vai se isolar durante sete dias, continuando a trabalhar remotamente", acrescenta o comunicado.

    Todas as viagens marcadas do presidente foram canceladas, incluindo a próxima visita ao Líbano.

    Segundo o comunicado da assessoria de imprensa, Macron é "ainda responsável" pelo comando do país, por sua vez, todas as outras reuniões serão realizadas por videoconferências.

    Na sequência do teste positivo de Macron, o primeiro-ministro da França, Jean Castex, também vai ficar em isolamento.

    Além do mais, o gabinete presidencial está agora identificando quem pode ter entrado em contato com Macron antes do resultado positivo para a COVID-19.

    O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, desejou ao presidente francês uma rápida recuperação.

    ​Sinto muito em saber que o meu amigo Emmanuel Macron testou positivo para o coronavírus. Todos nós lhe desejamos uma rápida recuperação.

    De acordo com o porta-voz do presidente, por enquanto não se sabe ao certo como Emmanuel Macron se infectou.

    Jean Castex cancelou visita ao Senado francês, onde deveria nesta quinta-feira (17) apresentar uma estratégia de vacinação. O plano de vacinação será apresentado pelo ministro da Saúde francês, Olivier Véran.

    Depois de contatar com Emmanuel Macron, o presidente do Conselho Europeu Charles Michel permanecerá em quarentena como medida de precaução, bem como o premiê da Espanha Pedro Sánchez, que ficará em isolamento de quarentena até 24 de dezembro. Primeiro-ministro de Portugal, António Costa, também ficará em isolamento depois de encontro com Macron.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    COVID-19: inteligência artificial prevê 96% dos casos que exigirão cuidados intensivos, diz estudo
    Caso de reinfecção por coronavírus é confirmado em São Paulo
    Ministério da Saúde retira nomes de pesquisadores que não deram anuência ao plano de vacinação
    Tags:
    COVID-19, França, Emmanuel Macron
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar