23:04 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)
    0 10
    Nos siga no

    Primeiro-ministro francês deseja que população aproveite período de festas de fim de ano, mas sem aumentar risco de terceiro período de isolamento nos próximos meses no país.

    A França anunciou na noite de quinta-feira (10) um relaxamento nas medidas de confinamento a partir da próxima terça-feira (15), informou o jornal Le Monde.

    Mas, por outro lado, haverá um toque de recolher incluindo o dia 31 de dezembro, véspera da virada de ano, já que a situação sanitária da epidemia de COVID-19 se deteriora na Europa e se torna particularmente preocupante na Alemanha.

    Em Paris, o primeiro-ministro Jean Castex falou sobre a diminuição cautelosa do isolamento. Os atestados de viagem serão abolidos, mas a reabertura de museus, cinemas e teatros será adiada por três semanas. O trabalho virtual "continuará sendo a regra" e o toque de recolher será imposto a partir das 20 horas todos os dias, exceto na véspera do Natal.

    O dia 31 de dezembro, que "concentra todos os ingredientes de uma recuperação epidêmica", segundo Castex, também estará sujeito ao toque de recolher.

    A França está sob um segundo toque de recolher desde 30 de outubro, após o inicial que aconteceu no segundo trimestre do ano e que durou quase dois meses.

    "Estamos em uma espécie de platô", reconheceu o primeiro-ministro. "E o objetivo, embora permitindo aproveitar a época festiva, é reduzir o risco de ter que viver um terceiro confinamento nos próximos meses".

    Preocupação em outros países

    Na Alemanha, o aumento do número de infecções pela COVID-19 é "preocupante" e "piorou até mesmo desde a semana passada", disse na quinta-feira (10) o Instituto Robert Koch de Vigilância Sanitária (RKI), para o qual novas restrições devem "ser consideradas", como a chanceler Angela Merkel já havia declarado na véspera.

    Em Berlim, a chanceler alemã Angela Merkel manuseia sua máscara na chegada a uma coletiva de imprensa após encontro com governadores estaduais do país, em 14 de outubro de 2020
    © AP Photo / Stefanie Loos
    Em Berlim, a chanceler alemã Angela Merkel manuseia sua máscara na chegada a uma coletiva de imprensa após encontro com governadores estaduais do país, em 14 de outubro de 2020

    O país registrou 23.679 novos casos de coronavírus, um recorde, e 440 mortes na quinta-feira (10). No dia anterior, o número de mortes em um único dia havia atingido um recorde de 590.

    A Alemanha, apresentada como o "bom aluno" da Europa durante a primeira onda quase no meio do ano, registrou desde o aparecimento do vírus, cerca de 1,2 milhão de infecções e mais de 20 mil mortes, de acordo com dados do RKI.

    No Reino Unido, o país mais enlutado da Europa - cerca de 63 mil mortes -, o ministro da Saúde, Matt Hancock, está "particularmente preocupado" com um surto de casos em Londres e no sudeste da ilha. E anunciou uma campanha para preservar os jovens nas áreas mais afetadas.

    Na República Tcheca, o governo prorrogou o estado de emergência até 23 de dezembro por causa do aumento do número de infecções, pedindo aos restaurantes que fechassem às 20h a partir de quarta-feira (9).

    No campo econômico, o Banco Central Europeu reforçou na quinta-feira (10) seu forte mecanismo de apoio à economia da zona do euro, ainda minado pela pandemia enquanto aguardava a implantação das vacinas.

    Ao mesmo tempo, os líderes da União Europeia chegaram a um compromisso para desbloquear o plano europeu de recuperação pós-COVID-19 de 750 bilhões de euros (R$ 4,583 trilhões).

    Globalmente, a pandemia causou pelo menos 1.570.398 mortes e infectou mais de 68,8 milhões de pessoas desde o final de dezembro de 2019.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)

    Mais:

    Anvisa autoriza uso emergencial de vacinas contra COVID-19
    Bolsonaro: Brasil vive 'finalzinho de pandemia' e foi o país que 'melhor se saiu' contra a COVID-19
    Moscou abrirá nova fábrica para produzir vacinas contra COVID-19 em janeiro
    Tags:
    pandemia, Reino Unido, Angela Merkel, Alemanha, França, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar