08:52 18 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 81
    Nos siga no

    Em meio a tensões entre oposicionistas e apoiadores do governo do presidente Aleksandr Lukashenko, trabalhadores de setores industriais decidiram fazer greve como protesto contra o presidente.

    Entre as empresas palco de greve figura a Belarusikaly, uma das maiores produtoras de fertilizante de potássio no mundo.

    Segundo disse à Sputnik Yuri Zakharov, presidente do Sindicado Independente Bielorrusso, a produção da fábrica ficou paralisada, sendo sua produção um dos itens mais significativos das exportações bielorrussas.

    Da mesma forma, trabalhadores de uma metalúrgica do país paralisaram o funcionamento de altos-fornos.

    Além disso, nesta segunda-feira (17), o país registrou falha no fornecimento de conexão à Internet, segundo a empresa de telecomunicações Beltelekom.

    Por sua vez, o presidente bielorrusso visitou a fabricante de veículos pesados e fornecedora de veículos militares MZKT. Na sua visita, Lukashenko disse aos trabalhadores presentes:

    "Se vocês são trabalhadores e pessoas normais, vocês devem trabalhar, homens. Expressem suas demandas, exijam, gritem, mas só não parem a produção. Repito mais uma vez, [não fiquem com raiva de mim], mas vocês não farão que eu fique de joelhos. E não façam de jeito que fique pior para vocês e suas famílias. Vocês vão sentir isso em uma semana depois de fazerem bagunça na empresa", publicou a agência Belta.

    Além do mais, funcionários da Fábrica de Automóveis de Minsk (MAZ, na sigla em russo) e da Fábrica de Tratores de Minsk (MTZ, na sigla em russo) iniciaram protestos na frente dos locais de trabalho. Os manifestantes portam a bandeira branca com faixa vermelha frequentemente utilizada por opositores de Lukashenko.

    Enquanto isso, o presidente da União de Jornalistas da Bielorrússia, Andrei Krivosheev, afirmou que o corpo técnico da companhia estatal de comunicações Belteleradiokompanya pretende entrar em greve.

    A capital bielorrussa, Minsk, tem vivido protestos que surgiram após a votação da eleição presidencial no domingo, 9 de agosto.

    Na ocasião, insatisfeitos com o bom resultado de Lukashenko no pleito foram às ruas protestar.

    A líder oposicionista e que apareceu em segundo lugar na eleição, Svetlana Tikhanovskaya, decidiu não reconhecer a legitimidade do pleito, assim como outros candidatos.

    Contudo, ontem (16) Minsk também foi palco de manifestação pró-Lukashenko.

    O ato reuniu tanto autoridades do país como uma multidão de pessoas. Lukashenko afirma que os protestos contra seu governo são engendrados no exterior.

    Mais:

    Oposição da Bielorrússia planeja entrar com ação judicial contra atos 'ilegais da polícia'
    Após falar com Putin, Lukashenko diz que Rússia ajudará na segurança da Bielorrússia, se necessário
    Presidente da Bielorrússia ordena transferência da sua brigada aérea para fronteira ocidental
    Tags:
    Minsk, Aleksandr Lukashenko, Bielorrússia, greve, protesto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar