15:17 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente chinês, Xi Jinping, abraça o presidente da França, Emmanuel Macron, após jantar de despedida no distrito de Yu Garden, em Xangai, no dia 5 de novembro de 2019

    Macron isola os EUA? China e França fecham acordo de US$ 15 bi e aproximam posições

    © REUTERS / Ng Han Guan
    Europa
    URL curta
    17597
    Nos siga no

    Quando Paris precisa debater temas como comércio, Irã ou Acordo de Paris, prefere ir a Pequim em vez de ir a Washington. Veja como a aproximação política entre a Europa e a China pode marginalizar a América de Trump.

    O presidente francês, Emmanuel Macron, visitou Pequim nesta semana, celebrando o terceiro encontro entre os chefes de Estado da França e China em menos de dois anos.

    O presidente da França, Emmanuel Macron, discursa durante o Fórum Econômico França-China, em Pequim, no dia 6 de novembro de 2019
    © REUTERS / Florence Lo
    O presidente da França, Emmanuel Macron, discursa durante o Fórum Econômico França-China, em Pequim, no dia 6 de novembro de 2019

    A visita coincidiu com a saída definitiva dos EUA do Acordo de Paris sobre o clima, decisão repudiada por França e China, que "reafirmaram o seu sólido apoio" ao acordo em comunicado conjunto.

    "A escolha isolada de um país não pode mudar o curso mundial. Só leva à marginalização", disse Macron. 

    A questão iraniana também aproxima China e França, ambas interessadas em revitalizar o acordo nuclear. O Irã retomou o enriquecimento de urânio, pouco mais de um ano após a retirada unilateral dos EUA do acordo multilateral.

    "A China e a França estão juntas com os europeus e com os russos. Estamos convencidos de que é necessário incrementar nossos esforços para fazer o Irã voltar a observar as normas [do acordo]", declarou o presidente francês.

    Enquanto debatia com o presidente da França temas complexos da agenda internacional, o líder chinês, Xi Jinping, degustava vinhos franceses que são alvo de tarifas de importação norte-americanas.

    A indústria de vinhos franceses lida com o impacto de tarifas impostas pelo governo norte-americano, em Outubro de 2019
    © AP Photo / Daniel Cole
    A indústria de vinhos franceses lida com o impacto de tarifas impostas pelo governo norte-americano, em outubro de 2019

    "Eu acho que ele descobriu o vinho Languedoc. Ele não o conhecia. Ele também experimentou um Burgundy e um Bordeau clássico", contou o presidente francês a repórteres.

    A França e a China assinaram acordos comerciais estimados em US$ 15 bilhões (cerca de R$ 61 bilhões) e fecharam uma posição comum em relação à necessidade de reformar a Organização Mundial do Comércio (OMC), repudiada por Trump.

    Presidente da França, Emmanuel Macron, reage durante reunião com o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, em Pequim, no dia 6 de novembro de 2019
    © REUTERS / Jason Lee
    Presidente da França, Emmanuel Macron, reage durante reunião com o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, em Pequim, no dia 6 de novembro de 2019

    Macron disse que a Europa e a China devem liderar o processo de reforma da OMC, uma vez que seria um "erro crítico" esperar "aqueles que estão questionando o sistema multilateral", em uma clara referência aos EUA.

    Isolamento dos EUA

    Eswar Prasad, economista da Universidade de Cornell, em entrevista à AP, explica:

    "A antipatia da administração Trump pelo multilateralismo, o seu repúdio a diversos acordos internacionais e hostilidade mesmo em relação a aliados de longa data, estão erodindo a influência econômica e política dos EUA", declarou Prasad. 

    Para o economista, que foi diretor do Departamento da China do Fundo Monetário Internacional, "os Estados Unidos são vistos pelos demais países como um aliado inconstante e pouco confiável", levando os países a evitar os EUA e a buscar acordos com outros parceiros.

    Mais:

    Guerra comercial entre China e EUA traz 'instabilidade' para economia global, diz Merkel
    EUA ameaçam o Irã com mais isolamento e pressão
    EUA impõem tarifas recorde de US$ 7,5 bilhões sobre importações da União Europeia
    Tags:
    Donald Trump, isolamento, Rússia, Irã, OMC, taxas, Europa, China, França, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar